28 de janeiro de 2008

Kostadinov


Emil Lubtchov Kostadinov nasceu na cidade de Sófia na Bulgária no dia 12 de Agosto de 1967.
Começou a sua carreira de futebolista no CSKA de Sofia onde venceu 3 Campeonatos da Bulgária, 3 Taças da Bulgária e chegou ás meias-finais da extinta Taça dos Vencedores das Taças em 1988/89 onde foi eliminado pelo F.C. Barcelona.
Chegou ao Futebol Clube do Porto na temporada de 1990/91 e cá ficou até á época de 1994/95, tendo formado uma excelente dupla com Domingos na frente do ataque do F.C. Porto durante esses anos. Esteve ligado a importantes vitórias, entre elas a goleada por 5-0 obtida pelo Futebol Clube do Porto perante o Werder Bremen na Alemanha num jogo a contar para a Liga dos Campeões, tendo apontado 1 golo nesse jogo.
Deu também o seu contributo para a conquista de 3 Campeonatos Nacionais, 2 Taças de Portugal e 3 Supertaças.
Deixou o Futebol Clube do Porto já com a temporada de 1994/95 a decorrer, mas sem deixar a sua marca ao apontar o segundo golo da 1ª jornada frente ao S.C. Braga no Estádio das Antas, e a ter direito á faixa de Campeão.
Depois de ter deixado o clube azul e branco, passou pelo Deportivo da Corunha e mais tarde pelo Bayern de Munique onde viria a conquistar uma Taça UEFA. Ainda representou o Fenerbahçe da Turquia, regressou ao CSKA de Sofia, passou pelos Tigres do México e terminou a sua carreira na Alemanha ao serviço do Mainz 05.
Foi também uma das principais figuras da Selecção Búlgara, vestiu a camisola Nacional do seu país por 70 vezes e marcou 26 golos. Esteve presente no Campeonato do Mundo de 1994 disputado nos Estados Unidos onde a Bulgária apresentou um bom futebol, e só foi eliminada na meia-final. Jogou igualmente no Euro 96 em Inglaterra e no Mundial 1998 em França mas em ambos os torneios a Bulgária não passou da primeira fase.

Palmarés
1 Taça UEFA
3 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
2 Taças de Portugal
3 Supertaças Cândido de Oliveira
3 Campeonatos da Bulgária
3 Taças da Bulgária

23 de janeiro de 2008

António Oliveira

António Luis Alves Ribeiro Oliveira nasceu no dia 10 de Junho de 1952 em Penafiel.
Com apenas 15 anos chegou ao Futebol Clube do Porto para ingressar nas camadas jovens.
Aos 18 anos já integrou o plantel principal dos portistas e estreou-se como sénior no dia 2 de Maio de 1971 no Estádio das Antas quando os dragões defrontaram o V. Guimarães para a 26ª e ultima jornada do Campeonato Nacional de 1970/71.
Médio-ofensivo de grande qualidade, foi uma das grandes estrelas da equipa treinada por José Maria Pedroto.
Foi um dos principais responsáveis pela conquista do Campeonato Nacional 1977/78 pelo F.C. Porto depois de um jejum de 19 anos, ao ser titular em todos os jogos e com 19 golos marcados. Em 1978/79, voltou a repetir a vitória no campeonato nacional e a sagrar-se juntamente com a equipa do F.C. Porto em Bi-Campeão.
Na época seguinte, teve uma experiência não muito bem sucedida em Espanha, no Bétis de Sevilha, para onde foi com um contrato milionário já a época de 1979/80 tinha começado. No decorrer da mesma época, em Fevereiro de 1980, regressou ao F.C. Porto mas, na sequência do "Verão quente" daquele ano, abandonou as Antas.
Oliveira jogou de Dragão ao peito durante 10 temporadas. Conquistou 3 Títulos, disputou 250 jogos oficiais e marcou 85 golos.
Em 1980/81 foi para o F.C. Penafiel como jogador-treinador.
Na época de 1981/82, ingressou no Sporting C.P. apenas como futebolista e na temporada seguinte ainda no clube de Alvalade, sagrou-se Campeão Nacional mais uma vez.
Em 1982/83 no mês de Setembro já com o campeonato a decorrer, passou a ser treinador e jogador, (função que já tinha exercido no F.C. Penafiel), e venceu a Supertaça Cândido de Oliveira.
Em 1985/86 transferiu-se para o Marítimo S.C. onde abandonou a brilhante carreira de jogador e dedicou-se totalmente ao papel de treinador.
Passou por diversos clubes nacionais até ser contratado em 1994 para treinador da Selecção Nacional. Teve a sua estreia em Belfast num jogo contra a Irlanda do Norte que Portugal venceu por 2-1. Qualificou Portugal para o Campeonato da Europa a ter lugar em Inglaterra em 1996, onde a Selecção apresentou um bom futebol mas acabou por ser eliminada pela Republica Checa nos quartos de final.
No final do Euro-96, António Oliveira regressou ao Futebol Clube do Porto e venceu os dois Títulos Nacionais de 1996/97 e 1997/98, ao serviço dos Dragões venceu ainda a Taça de Portugal em 1998 ao derrotar na final o S.C. Braga.
Em 2000 voltou a ser o treinador da Selecção Nacional, mais uma vez qualificou Portugal desta vez para o Campeonato do Mundo da Coreira/Japão, mas a incursão pelo oriente foi uma desilusão e António Oliveira acabou por ser dispensado.
No princípio da temporada de 2003/04, Oliveira foi eleito presidente do Futebol Clube de Penafiel e teve como principal objectivo levar o clube ao escalão máximo do futebol nacional, o que se veio a concretizar. Mas na temporada de 2005/06 o F.C. Penafiel desce de divisão e Oliveira deixa o clube.
Em Maio de 2010 finalizou o curso de Direito, no regime pós-laboral, da Universidade Católica do Porto.

Palmarés como jogador
3 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
2 Taças de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira

Palmarés como treinador
2 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
1 Taça de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira

Agradecimento ao Fernando Moreira pela colaboração

17 de janeiro de 2008

Fernando Couto

Fernando Manuel Silva Couto nasceu no dia 2 de Agosto de 1969 em Espinho.
Começou por jogar futebol no clube da sua terra, o S.C. Espinho, passou depois para o Lusitânia Futebol Clube de Lourosa e ainda junior ingressou no Futebol Clube do Porto.
Ainda júnior e teve a sua estreia na equipa principal dos Dragões na temporada 1987/88 quando o treinador Tomislav Ivic o colocou a títular no jogo da 37ª e penultima jornada do Campeonato Nacional. A partida disputou-se em Coimbra, no Estádio Municipal e os Dragões venceram os estudantes por 1-0.
Foi emprestado ao F.C. Famalicão da 3ª divisão em 1988/89 e na temporada seguinte representou também por empréstimo a Académica de Coimbra da 2ª divisão.
No ano de 1989, foi Campeão do Mundo de sub-20 no mundial realizada na Arábia Saudita.
Em 1990/91 regressou ao F.C. Porto já com a orientação de Artur Jorge, e nesse ano de estreia foi titular em 25 jogos e ajudou a conquistar a Taça de Portugal. Foi também em 1990 que se estreou na Selecção Nacional no dia 19 de Dezembro na Maia, para um jogo amigável contra os Estados Unidos.
Em 1991/92 e 1992/93, sagrou-se Campeão Nacional e começou a despertar a cobiça dos melhores clubes da Europa.
Na temporada de 1993/94 venceu de novo a Taça de Portugal e no final da época deixou o Futebol Clube do Porto.
De Dragão ao peito, Fernando Couto jogou durante 5 épocas. Conquistou 10 Títulos, disputou 158 partidas oficiais e marcou 12 golos.
Em 1994/95 transferiu-se para o Parma F.C. de Itália onde na temporada seguinte venceu a Taça UEFA e ficou em 2º lugar no campeonato. O estatuto de títular indiscutível já não se manteve na época seguinte na equipa italiana, o que já não acontecia na Selecção de Portugal que nesse ano de 1996 disputou o Campeonato da Europa em Inglaterra, e as boas exibições do defesa central fizeram com que os espanhóis do F.C. Barcelona o fossem buscar a Itália.
Esteve duas épocas em Espanha e em 1996/97 voltou a vencer uma prova europeia, desta vez a já extinta Taça dos Clubes Vencedores das Taças, e na temporada seguinte sagrou-se campeão espanhol.
Em 1998/99 voltou a Itália para defender a camisola da S.S.Lazio, e na temporada seguinte não só repetiu a vitória na Taça dos Clubes Vencedores das Taças como foi Campeão de Itália.
Em Abril de 2001 foi acusado de doping, mas nunca se provou que Fernando Couto estivesse dopado. A prová-lo estão uma série de análises com resultado negativo antes e depois do fatídico controle de 28 de Janeiro, entre as quais uma análise ao cabelo feita em Abril e que permite afirmar que o jogador não se dopou nos 6 meses anteriores à recolha. Mesmo assim, Fernando Couto foi punido com uma suspensão desportiva de 10 meses que posteriormente foi reduzida para 5 meses. Depois desse pesadelo voltou a jogar pela S.S. Lazio tendo sido capitão de equipa apesar de ser um jogador estrangeiro.
Fernando Couto representou ainda a Selecção Nacional. Envergou a braçadeira de capitão até ao final do Euro 2004 realizado em Portugal. Foi internacional por 110 vezes e marcou 7 golos. Esteve presente nos Campeonatos da Europa de 1996, 2000 e 2004 e no Campeonato do Mundo de 2002.
Na temporada de 2005/06 regressou ao Parma F.C.. Representou o clube italiano durante mais três temporadas e em 2007/08 terminou a sua carreira.
Em 2010 assumiu o cargo de Director de Futebol do S.C. Braga, lugar que ocupou até finais de 2011.
Em 2012 abraçou a carreira de treinador e partiu para a Índia onde assumiu o comando técnico do Manchester Howrah. Mas a aventura em terras asiaticas durou pouco tempo e regressou a Portugal no inicio da temporada de 2012/13 para ingressar na equipa técnica do S.C. Braga.

Palmarés
2 Taças dos Vencedores das Taças
1 Taça UEFA
2 Supertaças Europeias
3 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
3 Taças de Portugal
2 Supertaças Cândido de Oliveira
1 Campeonato de Espanha
2 Taças de Espanha
1 Supertaça de Espanha
1 Campeonato de Itália
2 Taças de Itália
1 Supertaça de Itália

16 de janeiro de 2008

Madjer

Rabah Madjer nasceu no dia 15 de Fevereiro de 1958 em Hussein Dey; Argélia.
Madjer iniciou a sua carreira no Nasr Athlétique d´Hussein-Dey, clube dos arredores da cidade de Argel. Em 1978 ascendeu a sénio e integrou a equipa que venceu a Taça da Argélia.
Em 1983 transferiu-se para França onde jogou no R.C.F. Paris e ainda no Tours F.C.
No mês de Outubro de 1985 ingressou ao Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 27 de Outubro de 1985 no Estádio do Restelo, em Lisboa, onde os portistas venceram o C.F. Belenenses por 3-2, numa partida a contar para a 8ª jornada do Campeonato Nacional de 1985/86.
Madjer jogou de Dragão ao peito durante seis temporadas, com uma passagem pelos espanhois do Valência F.C. entre Janeiro e Junho de 1989.
Ao serviço do F.C. Porto foi por três vezes Campeão Nacional (1985/86, 1987/88 e 1989/90) e conquistou por duas ocasiões a Supertaça Cândido de Oliveira (1986/87 e 1990/91). Mas os melhores momentos da sua carreira foram as conquistas internacionais, que começou com a vitória na final de Viena em 1987 onde o F.C. Porto derrotou os alemães do F.C. Bayern de Munique por 2-1 com um golo de calcanhar de Madjer que correu o mundo e ainda hoje é um dos mais belos da historia da maior prova do futebol europeu. Com a conquista da Taça dos Clubes Campeões Europeus, o F.C. Porto teve o direito a representar a Europa no Japão para a Taça Intercontinental contra o C.A. Peñarol do Uruguai, Campeão da América do sul. O jogo foi disputado com o relvado completamente coberto de neve, e depois de o resultado do jogo ser 1-1 foi preciso jogar o prolongamento, e foi nesse período do jogo que mais uma vez Madjer mostrou sua classe ao apontar o 2º golo que valeu a vitória na prova e ainda foi eleito o melhor jogador do jogo. Venceu ainda a Supertaça Europeia.
Com a camisola azul e branca, Madjer conquistou 8 Títulos, disputou 148 partidas oficiais e marcou 73 golos.
Em 1991/92 rumou ao Catar onde jogou pelo Qatar S.C. durante apenas uma temporada, tendo terminado a sua carreira no final dessa época.
Em 1993 passou a selecionador da Selecção da Argélia. Regressou de novo às Antas para ser técnico do Departamento de Futebol Juvenil em 1995/96, para ensinar os mais novos com a mesma magia com que jogava. Voltou depois ao Catar para orientar o Al-Wakrah S.C. e retornou à Selecção argelina em 1998 e em 2005/06 mais uma vez esteve no Catar para treinar o Al-Rayyan Club. No final dessa temporada deixou o clube de Al-Rayyan.
Madjer também jogou na selecção da Argélia. Representou o seu país durante 14 anos, desde 1978 a 1992 e esteve presente em dois Campeonatos do Mundo (1982 e 1986), nos Jogos Olimpicos em 1980, e também disputou a Taça das Nações Africanas em 1980, 1982, 1984, 1986, 1990 e 1992, tendo conquistado a prova em 1990.
Foi considerado o melhor jogador Argelino de todos os tempos.

Palmarés
1 Taça Intercontinental
1 Taça dos Campeões Europeus
1 Supertaça Europeia
3 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
2 Supertaças Cândido de Oliveira
1 Taça da Argélia
1 Taça de África das Nações

Vitor Baía

Vitor Manuel Martins Baía nasceu no dia 15 de Outubro de 1969 em S.Pedro da Afurada, Vila Nova de Gaia.
Começou desde miúdo a jogar no Associação Académico de Leça.
Aos treze anos mudou-se para o Futebol Clube do Porto, tendo passado por todos os escalões de formação.
Com apenas dezanove anos, foi chamado pela primeira vez à equipa principal pelo então treinador Quinito, para defender a baliza no jogo da 4ª jornada do Campeonato Nacional contra o V. Guimarães em Setembro de 1988, no Estádio Municipal de Guimarães.
Mas foi a partir de Fevereiro de 1989 e já com Artur Jorge no comando dos Dragões, que Vitor Baía agarrou em definitivo a títularidade na baliza do F.C. Porto.
Jogou de azul e branco durante 16 temporadas, com um interregno de dois anos. Entre 1996/97 e 1997/98 vestiu a camisola do F.C. Barcelona onde foi Campeão de Espanha (1997/98), ganhou por duas vezes a Taça do Rei (1996/97 e 1997/98), conquistou a Supertaça de Espanha (1996/97) e venceu a Taça dos Clubes Vencedores das Taças em 1996/97 e a Supertaça Europeia em 1997. Foi eleito pelo jornal espanhol “A Marca” o melhor guarda-redes da época 1996/97. Mas nem tudo foram alegrias porque uma grave lesão atirou-o para o banco de suplentes.
Em Janeiro de 1999 regressou ao F.C. Porto, primeiro por empréstimo dos espanhóis, mas depois já em definitivo e Vitór Baía não demorou a agarrar de novo a títularidade na baliza dos Dragões.
Durante os 16 anos em que jogou de Dragão ao peito, Vitor Baía conquistou 27 Títulos e disputou 406 jogos oficiais.
No topo das conquistas internacionais, destaca-se a final da Liga dos Campeões que o F.C. Porto venceu ao derrotar o A.C. Mónaco por 3-0 no ano de 2004 em Gelsenkirchen na alemanha, e a final da Taça UEFA de 2003 que Vitor Baía ajudou a ganhar perante o Celtic F.C. por 3-2 após o prolongamento, ainda a Taça Intercontinental de 2004 conquistada no Japão depois de vencer os colombianos do Once Caldas F.C.
Em 2007 e com 37 anos, Vítor Baía despediu-se como jogador no Estádio do Dragão perante o público que sempre o acarinhou.
Foi ainda Internacional por 80 vezes. Esteve presente nos Campeonatos da Europa de 1996 e 2000 e no Campeonato do mundo de 2002.
Com 21 anos chegou a baliza da Selecção Nacional, tendo a sua estreia acontecido no dia 19 de Dezembro de 1990 para disputar um encontro particular contra a selecção dos Estados Unidos.
É ainda nos dias de hoje o guarda-redes com mais Títulos a nível mundial, tendo conquistado 35 e o segundo futebolista, apenas atrás de Ryan Giggs que tem 36 títulos.
No dia 25 de Julho de 2014 voltou a pisar o relvado do Estádio do Dragão e a vestir a camisola do Futebol Clube do Porto e também a do F.C. Barcelona no jogo de homenagem e despedida de Deco.

Palmarés
1 Taça Intercontinental
1 Liga dos Campeões
1 Taça dos Clubes Vencedores das Taças
1 Taça UEFA
1 Supertaça Europeia
10 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
5 Taças de Portugal
9 Supertaças Cândido de Oliveira
1 Campeonato de Espanha
2 Taças do Rei
1 Supertaça de Espanha

Estrelas do Futebol Clube do Porto


Este blogue tem o intuito de não deixar esquecer jogadores, treinadores, dirigentes, troféus, estádios e factos que ao longo dos muitos e gloriosos anos, desde o dia 28 de Setembro de 1893, marcaram a história do mais prestigiado clube de Portugal. O Futebol Clube do Porto.

Que seja bem vindo quem vier por bem.