19 de setembro de 2021

Marc Janko

Marc Janko nasceu no dia 25 de Junho de 1983 em Viena, Áustria.
Foi no F.C. Admira Wacker que começou a sua carreira de futebolista no ano de 1990, quando contava com 16 anos de idade. Depois de ter passado pelos vários escalões de formação do clube de Mödling, Marc Janko integrou o plantel principal em 2003 e estreou-se como sénior em Dezembro de 2004. Em 2005/06, transferiu-se para o F.C. Red Bull Salzburgo onde jogou durante cinco temporadas, tendo vencido por três vezes o campeonato austriaco e foi o melhor marcador em 2008/09, com 39 golos em 34 jogos. Em 2010/11, rumou aos holandeses do F.C. Twente, onde conquistou duas Supertaças holandesas e uma Taça da Holanda.
Em Janeiro de 2012, Marc Janko foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 5 de Fevereiro de 2012 no Estádio do Dragão, onde os portistas receberam e venceram o V. Setúbal por 2-0, no terceiro jogo do Grupo D da Taça da Liga de 2011/12. Foi também nessa partida que Janko marcou o seu primeiro golo. O avançado austriaco fechou o marcador aos 67 minutos.
Nos dois jogos seguintes, que contaram para o campeonato nacional, contra o U.D. Leiria e novamente o V.Setúbal, voltou a marcar um golo em cada partida e assim contribuiu para a vitória do F.C. Porto nesses dois jogos, 4-0 contra os leirienses e 3-1 perante os sadinos. Janko marcou mais dois golos, um na vitória por 2-0 dos Dragões na Madeira contra o C.D. Nacional, e outro na recepção ao S.C. Beira-Mar que os azuis e brancos venceram por 3-0.
Na pré-época de 2012/13, Marc Janko sofreu uma lesão muscular e os portistas viram-se na obrigação de contratar Jackson Martínez para substituir o avançado austriaco, que assim decidiu deixar os Dragões.
Apesar de ter estado apenas meio ano ao serviço do F.C. Porto, Marc Janko contribuiu para a conquista do título de Campeão Nacional de 2011/12. O austriaco disputou 12 jogos oficiais e marcou 5 golos.
De seguida rumou à Turquia onde jogou no Trabzonspor. Passou pelos australianos do Sydney F.C.. Em 2015, regressou à Europa para jogar nos suíços do F.C. Basel, onde conquistou o campeonato suíço por duas vezes e venceu por uma vez a Taça da Suíça. Teve depois uma breve passagem pelo A.C. Sparta de Praga, antes de voltar à Suíça para ingressar no F.C. Lugano, onde terminou a sua carreira de futebolista no ano de 2019.
Marc Janko foi internacional pela Áustria. Vestiu a camisola da seleção por 70 vezes, marcou 28 golos e esteve presente no Campeonato da Europa de 2016.

Palmarés
1 Campeonato da 1ª Divisão (Portugal)
3 Campeonatos da Áustria
2 Campeonatos da Suíça
1 Taça da Holanda
1 Taça da Suíça
2 Supertaças da Holanda

12 de setembro de 2021

Rico

José Augusto Duarte, mais conhecido como Rico, nasceu no dia 9 de Maio de 1940 em Luanda, Angola.
Foi no F.C. Luanda que começou a jogar futebol, onde despertou o interesse de vários clubes portugueses.
No início do ano de 1960, foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
O seu primeiro jogo de Dragão ao peito aconteceu no dia 27 de Março de 1960, no Campo José Santos Pinto, na Covilhã, onde os portistas visitaram e empataram 1-1 com o S.C. Covilhã, num jogo que contou para a 1ª mão dos oitavos de final da Taça de Portugal de 1959/60. Na partida da 2ª mão, no Estádio das Antas, os Dragões não deram hipóteses aos serranos e venceram por 5-0.
Ainda nessa temporada, Rico foi utilizado pelo treinador Francisco Reboredo no jogo da 25ª jornada do Campeonato Nacional, contra o Atlético C.P. em que os portistas venceram por 4-0.
Nas três épocas seguintes, Rico não disputou nenhum jogo oficial na equipa principal do F.C. Porto.
Na temporada de 1963/64, Rico voltou a vestir a camisola portista por duas vezes, nos dois jogos dos oitavos-de-final da Taça de Portugal contra o V. Guimarães. Os Dragões venceram os vimaranenses em ambas as partidas, 3-1 no Estádio das Antas e 2-1 no Municipal de Guimarães.
Na época seguinte, Rico voltou a disputar dois jogos, ambos no mês de Outubro. No dia 14, integrou o onze titular que venceu o O. Lyon por 1-0 no Estádio Gerland, numa partida que contou para a 2ª mão da 1ª eliminatória da Taça dos Vencedores das Taças, depois da vitória do F.C. Porto, na partida da 1ª mão, disputada no Estádio das Antas, por 3-0. Quatro dias depois, Rico voltou a merecer a confiança do técnico Otto Glória, ao ser titular na recepção ao Lusitano G.C. de Évora, numa partida que os portistas venceram por 1-0 e que valeu para a 2ª jornada do Campeonato Nacional.
Apesar de ter estado seis temporadas ao serviço do F.C. Porto, Rico apenas disputou seis jogos oficiais, divididos por três épocas.
Em 1965/66, ingressou no F.C. Barreirense. Na temporada seguinte transferiu-se para o G.D. CUF. Em 1968/69, foi contratado pelo Varzim S.C., onde jogou durante quatro temporadas.
No dia 20 de Abril de 1972, Rico faleceu durante um jogo treino entre o Varzim S.C. e o F.C. Tirsense, consequência de congestão cerebral.

5 de setembro de 2021

Casagrande

Walter Casagrande Junior nasceu no dia 15 de Abril de 1963 em São Paulo, Brasil.
Depois de ter passado pelos escalões de formação do S.C. Corinthians Paulista, Casagrande ascendeu à categoria de sénior no ano de 1981, com 18 anos. Esteve, durante um ano, cedido ao A.A. Caldense mas regressou ao emblema de Tatuapé em 1982. Depois de três anos com a camisola do S.C. Corinthians Paulista, onde conquistou o título de Campeão Paulista em 1982 e em 1983, tendo-se mostrado um jogador de elevada qualidade técnica mas também com um estilo de vida descontraído, Casagrande desentendeu-se com o treinador Jorge Vieira e foi emprestado ao São Paulo F.C., onde jogou durante meio ano. Em 1985, voltou ao S.C. Corinthians Paulista e continuou a mostrar toda a sua categoria, o que começou a despertar o interesse de vários clubes europeus.
Em Janeiro de 1987, Casagrande foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A primeira vez que vestiu a camisola dos Dragões foi no dia 11 de Janeiro de 1987, no Estádio das Antas, onde os portistas receberam e empataram 2-2 com o V. Guimarães, num jogo a contar para a 17ª jornada do Campeonato Nacional de 1986/87. Casagrande foi titular e apontou o seu primeiro golo de Dragão ao peito aos 66 minutos, marcando o segundo golo do F.C. Porto no jogo.
Sete dias depois, os Dragões receberam o G.D. Samora Correia para a Taça de Portugal e venceram por 5-0. Casagrande voltou a jogar de início e marcou o segundo golo do encontro.
Depois de ter disputado mais três partidas no campeonato nacional, jogou pela primeira vez na Taça dos Clubes Campeões Europeus quando o F.C. Porto disputou os quartos-de-final com os dinamarqueses do Brondby I.F.. No jogo da 1ª mão, no Estádio das Antas, Casagrande foi a jogo aos 46 minutos ao substituir António Sousa e ajudou os portistas a conquistar uma difícil vitória por 1-0. No jogo da 2ª mão, no Blue Water Arena, Casagrande voltou a ser titular. Aos 20 minutos, numa bola dividida com John Jensen, o avançado brasileiro sofreu uma grave lesão que o afastou dos relvados durante dois meses. Regressou à competição no dia 24 de Maio, em Faro, onde os portistas defrontaram o S.C. Farense, três dias antes da Final da Taça dos Clubes Campeões Europeus contra os alemães do F.C. Bayern Munique e que o F.C. Porto venceu por 2-1. Apesar de não ter saído do banco de suplentes nessa partida da final, Casagrande sagrou-se Campeão Europeu.
Quatro dias após ter conquistado o seu primeiro grande título no futebol, Casagrande disputou o seu último jogo de Dragão ao peito em pleno Estádio das Antas, onde o F.C. Porto recebeu e venceu o O Elvas C.A.D. por 6-0, na derradeira partida do campeonato nacional.
Durante o meio ano em que esteve ao serviço do F.C. Porto, Casagrande disputou 9 jogos oficiais, marcou 2 golos e conquistou 1 título.
Depois de deixar os Dragões, Casagrande rumou a Itália onde representou o Ascoli F.C. entre 1987 e 1991 e o Torino F.C. durante um ano e meio, tendo conquistado a Taça de Itália na época de 1992/93. Ainda em 1993, regressou ao Brasil para vestir a camisola do C.R. Flamengo, S.C. Corinthians Paulista, Paulista F.C. e A.A. São Francisco, clube onde terminou a sua carreira de futebolista no ano de 1996.
Casagrande foi internacional pelo Brasil. Vestiu a camisola da seleção canarinha por 19 vezes, marcou 8 golos e esteve presente no Campeonato do Mundo de Futebol em 1986.

Palmarés
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus / Liga dos Campeões
2 Campeonatos Paulistas
1 Taça de Itália

29 de agosto de 2021

Augusto Pereira

Augusto Lopes Pereira foi um futebolista que representou o Futebol Clube do Porto durante a década de quarenta.
A sua estreia com a camisola dos Dragões teve lugar no Estádio do Lima onde, no dia 19 de Outubro de 1941, os portistas receberam e venceram o S.C. Salgueiros por 7-2, numa partida que contou para a 2ª jornada do Campeonato Regional do Porto. Foi também nessa partida, que Augusto Pereira marcou o seu primeiro golo com a camisola do F.C. Porto, quando apontou o 3º golo dos azuis e brancos, aos 47 minutos.
Na sua primeira temporada, disputou 7 jogos a contar para o Campeonato Regional do Porto e 2 no Campeonato Nacional, tendo marcado 4 golos, todos no Campeonato Regional do Porto. Na temporada seguinte, Augusto Pereira disputou apenas 4 partidas (1 no Campeonato Nacional e 3 no Campeonato Regional do Porto) e não marcou qualquer golo. Ainda assim, foi uma época bem mais positiva do que a anterior, pois ajudou o F.C. Porto a conquistar o título de Campeão Regional do Porto. No final dessa época deixou os Dragões e ingressou no S.C. Salgueiros.
Augusto Pereira esteve duas temporadas ao serviço do F.C. Porto. Disputou 13 jogos oficiais, marcou 4 golos e conquistou 1 título.

Palmarés
1 Campeonato do Porto

15 de agosto de 2021

Constantino

Constantino foi um futebolista que representou o Futebol Clube do Porto na década de trinta.
Foi na temporada de 1935/36 que Constantino ingressou nos Dragões.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 17 de Novembro de 1935, no Campo da Constituição onde os portistas jogaram como equipa visitante e venceram o Boavista F.C. por 2-1, num jogo a contar para a 6ª jornada do Campeonato Regional do Porto. Constantino deixou o seu nome gravado na história desse jogo não só pela sua estreia, mas também por ter marcado o seu primeiro golo com a camisola azul e branca, sendo ao mesmo tempo o primeiro golo do jogo, quando estavam decorridos 11 minutos.
No jogo da jornada seguinte, contra o Leça F.C., Constantino continuou de pé quente e apontou quatro golos na vitória, por 7-2, dos portistas contra os leceiros.
Constantino representou o F.C. Porto apenas nessa época de 1935/36. Disputou 5 jogos oficiais, marcou 5 golos e conquistou o título de Campeão Regional do Porto.

Palmarés
1 Campeonato do Porto

8 de agosto de 2021

Ezequiel Batista

Ezequiel Monteiro Batista nasceu no dia 27 de Março de 1927 em Setúbal.
Na época de 1949/50, foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A primeira vez que vestiu a camisola dos Dragões aconteceu no dia 9 de Outubro de 1949 no Campo da Constituição, onde os portistas receberam os alentejanos do O Elvas C.A.D., numa partida que contou para a jornada inaugural do Campeonato Nacional de 1949/50 e que os azuis e brancos venceram por 1-0, com o golo a aparecer aos 20 minutos e marcado por Ezequiel Batista.
Ezequiel Batista esteve apenas nessa temporada ao serviço do F.C. Porto. Disputou mais dez jogos oficiais e marcou mais dois golos. Um na vitória, por 8-2, dos Dragões contra o Lusitano F.C. no jogo da 3ª jornada do Campeonato. O outro golo aconteceu na vitória, por 5-1, contra o S.C. Covilhã na partida da 8ª jornada do Campeonato Nacional.
Depois de deixar o F.C. Porto, Ezequiel Batista ingressou no S.C. Braga onde jogou durante seis épocas. Em 1957/58 transferiu-se para o Leixões S.C.
Ezequiel Batista vestiu ainda a camisola da Seleção Nacional por uma vez. Foi no dia 19 de Dezembro de 1954, quando Portugal recebeu no Estádio do Jamor a RFA, tendo os alemães vencido por 3-0.

1 de agosto de 2021

Diogo Dalot

José Diogo Dalot Teixeira nasceu no dia 18 de Março de 1999 em Braga.
Filho do advogado António Jacinto Teixeira e da professora Anabela Dalot, de quem herdou o nome de origem francesa, Diogo Dalot começou a jogar futebol aos 7 anos de idade na Escola de Formação Fintas. Em 2008 e com 9 anos, integrou as escolas do Futebol Clube do Porto.
Depois de ter passado por todos os escalões de formação dos Dragões, com uma breve passagem pelo Padroense F.C. em 2014/15, Diogo Dalot estreou-se na equipa B portista no dia 28 de janeiro de 2017, no Estádio Dr. José Sampaio, em Pedroso, na recepção ao Leixões S.C., com vitória por 2-1 da equipa de Matosinhos.
Na época de 2017/18, Diogo Dalot começou também por jogar na equipa B, mas acabou por integrar o plantel principal portista.
A sua estreia na equipa principal aconteceu no dia 13 de Outubro de 2017 no Estádio do Restelo, onde o F.C. Porto defrontou e venceu por 6-0 o Lusitano Ginásio Clube de Évora, numa partida que contou para a 3ª eliminatória da Taça de Portugal. Dalot jogou os 90 minutos e fez a assistência para Aboubakar apontar o segundo golo do jogo.
Quatro meses depois, a 18 de Fevereiro de 2018, Diogo Dalot teve o seu batismo no Campeonato Nacional no Estádio do Dragão, onde o F.C. Porto goleou o Rio Ave F.C. por 5-0, numa partida que valeu para a 23ª jornada. Dalot foi a jogo aos 74 minutos, ao substituir Sérgio Oliveira.
Sete dias mais tarde, Dalot teve a sua estreia como titular, na visita a Portimão, onde os portistas venceram por 5-1 o Portimonense S.C.. O lateral contribuiu com duas assistências para golo.
Em Abril, e depois de levar cinco jogos consecutivos como titular, Diogo Dalot sofreu uma lesão no joelho direito durante um treino que o afastou dos relvados até ao final da época. Mas apesar da lesão, festejou a conquista do título de Campeão Nacional 2017/18.
Diogo Dalot esteve apenas meia época na equipa principal do F.C. Porto onde disputou 8 jogos e conquistou 1 título, mas as excelentes exibições que já tinha realizado nos juniores portistas e também na Seleção Nacional, aguçou a cobiça dos grandes clubes europeus, com o Manchester United F.C. a ganhar a corrida e a contratar o jovem lateral por 22 milhões de euros.
Depois de passar duas temporadas em Manchester, Diogo Dalot foi emprestado aos italianos do A.C. Milan.
Diogo Dalot vestiu ainda a camisola da Seleção Nacional, tendo marcado presença no Campeonato da Europa de 2020.

Palmarés
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)

25 de julho de 2021

Pacheco

Adélio Guilherme Pacheco nasceu no dia 17 de Junho de 1920 em Fafe.
Na época de 1939/40 Pacheco ingressou no Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 8 de Outubro de 1939 no Campo Augusto Leça, onde o F.C. Porto visitou e venceu o S.C. Salgueiros por 5-4. num jogo a contar para a 1ª jornada do Campeonato do Porto. Pacheco esteve em grande evidência ao marcar três golos.
Nessa temporada, Pacheco disputou sete partidas a contar para o Campeonato do Porto e foi utilizado apenas por uma vez no Campeonato Nacional, no jogo da 4ª jornada contra a Académica de Coimbra em que os Dragões foram ao Campo de Santa Cruz vencer por 2-0. No final da temporada sagrou-se Campeão Nacional.
Na temporada seguinte, Pacheco apenas disputou uma partida. Foi no jogo da 1ª jornada do Campeonato do Porto, no Campo da Constituição, onde os azuis e brancos receberam e venceram o Académico F.C. por 5-1. Apesar de ter marcado presença apenas num único jogo, Pacheco ajudou a conquistar o título de Campeão do Porto.
No final da época de 1940/41, Pacheco deixou o F.C. Porto.
Nas duas temporadas em que representou os Dragões, Pacheco disputou 9 jogos oficiais, marcou 5 golos e conquistou 2 títulos.

Palmarés
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato do Porto

18 de julho de 2021

Taça Ákos Teszler

Em Junho de 1924, o Futebol Clube do Porto conquistou a Taça Ákos Teszler depois de vencer o Boavista F.C. por 5-2, numa partida disputada no Campo da Constituição. O jogo serviu para homenagear aquele que foi o primeiro treinador de futebol a receber um salário num clube português.
De origem húngara, Ákos Teszler foi contratado pelo F.C. Porto em Outubro de 1923 para ficar responsável por todas as equipas de futebol do clube, desde os infantis até à principal.
Tendo renovado, pela primeira vez, o contrato em 1924, Ákos Teszler levou os Dragões à conquista do Campeonato de Portugal de 1924/25 e também dos Campeonatos Regionais do Porto entre 1924/25 a 1927/28.

11 de julho de 2021

Amaral

António Jorge Rodrigues Amaral nasceu no dia 20 de Junho de 1955 em Alcântara.
Foi no Grupo Dramático e Sportivo de Cascais que Amaral começou a jogar futebol. Começou como defesa central, mas depressa mudou de posição e passou a guarda-redes. Aos 17 anos ingressou nos juniores do S.L. Benfica, clube onde passou a sénior na temporada de 1973/74. Depois de ter passado pelo S.U. Sintrense e pelo C.S. Marítimo, Amaral jogou durante três temporadas no V. Setúbal, onde realizou duas excelentes épocas, o que despertou o interesse de vários clubes europeus e também do C.R. Flamengo.
No início da época de 1982/83 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 21 de Agosto de 1982 no Estádio Municipal de Portimão, onde os portistas visitaram e venceram o Portimonense S.C. por 2-1.
Nessa temporada, Amaral dividiu a baliza portista com Zé Beto e Fonseca. Dos três, Amaral foi o que disputou mais jogos, com um total de 18 (13 Campeonato Nacional, 1 Taça de Portugal e 4 Taça UEFA).
Na época seguinte, Amaral continuou no F.C. Porto mas não disputou nenhum jogo.
Em 1984/85, rumou ao Algarve para jogar no S.C. Farense.
Na temporada seguinte voltou ao F.C. Porto, mas tanto nessa época, como na seguinte, não foi utilizado.
Depois de deixar as Antas, Amaral jogou dois anos no F.C. Penafiel, esteve uma temporada no Varzim S.C., um ano do R.C. Águeda, duas épocas no Louletano D.C. e em 1993/94 ingressou no F.C. Tirsense, clube onde terminou a sua carreira de futebolista no final dessa temporada.
Amaral foi internacional por Portugal e vestiu a camisola das Quinas por duas vezes.

4 de julho de 2021

Bruno Moraes

Bruno dos Santos Moraes nasceu no dia 7 de Julho de 1984 em Santos, Brasil.
Com cinco anos de idade, começou a jogar futesal num pequeno clube da sua terra, mas pouco tempo depois, o filho de Aluísio Guerreiro, antigo centro-campista do Santos F.C. na década de oitenta, começou a jogar futebol no "Peixe", clube onde fez toda a sua formação de futebolista e onde ascendeu à categoria de sénior em 2002, ano em que ajudou o Santos F.C. a conquistar o primeiro título de Campeão Brasileiro.
No início da época de 2003/04, foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
Depois de ter disputado três partidas na equipa B dos Dragões, Bruno Moraes estreou-se na equipa principal no dia 13 de Setembro de 2003 no Estádio Municipal da Marinha Grande, onde os portistas defrontaram e venceram o U.D. Leiria por 3-1, num jogo que valeu para a 4ª jornada do Campeonato Nacional de 2003/04. Bruno Moraes saiu do banco de suplentes aos 78 minutos, para substituir Jankauskas.
O primeiro golo que marcou com a camisola dos Dragões foi no jogo dos quartos-de-final da Taça de Portugal em que os portistas venceram o Rio Ave F.C. por 2-1, com Bruno Moraes a apontar o segundo golo do F.C. Porto aos 39 minutos.
Apesar de ter disputado apenas 8 jogos oficiais (5 no Campeonato Nacional, 2 na Liga dos Campeões e 1 na Taça de Portugal), em 2003/04, Bruno Moraes conquistou a Liga dos Campeões e sagrou-se Campeão Nacional.
Na temporada de 2004/05 esteve emprestado ao V.Setúbal, onde fez 28 jogos e marcou 9 golos, mas no final da época sofreu uma grave lesão que o manteve afastado dos relvados durante 15 meses. Bruno Moraes regressou aos relvados no dia 14 de Outubro de 2006, de novo com a camisola do F.C. Porto. Nessa época, de 2006/07, foi utilizado pelo treinador Jesualdo Ferreira em 19 jogos onde apontou 3 golos, um deles contra o S.L. Benfica aos 92 minutos e que valeu a vitória por 3-2 dos Dragões.
Depois de ter passado a época de 2007/08 lesionado, Bruno Moraes foi de novo emprestado ao V. Setúbal e ao Rio Ave F.C.
No final da temporada de 2009/10, terminou o seu vínculo com os Dragões. Nas duas épocas que jogou de Dragão ao peito, Bruno Moraes disputou 27 jogos oficiais, marcou 4 golos e conquistou 3 títulos.
Em 2010/11 rumou à Roménia onde jogou, durante quatro meses, no F.C. Gloria Progresul. Nessa mesma temporada, regressou a Portugal para vestir a camisola da Associação Naval 1º de Maio. Na época seguinte ingressou no U.D. Leiria e em 2012/13 voltou a aventurar-se no estrangueiro com o seu destino a ser os húngaros do Újpest F.C. Em 2013/14, voltou mais uma vez a Portugal para representar o Gil Vicente F.C., mas ainda no início da temporada as lesões voltaram a atormentá-lo e esteve cerca de meio ano fora dos relvados. Em 2014, regressou ao Brasil, onde teve uma breve passagem pelo Associação Portuguesa dos Desportos. No início da época de 2015/16, estava de novo em Portugal, agora para defender as cores do Varzim S.C.. Na temporada seguinte transferiu-se para os cipriotas do E.N. Paralimniou e em 2017/18 regressou outra vez a Portugal para jogar no S.C. Espinho. Em 2018/19, ingressou no C.D. Trofense. No clube da cidade da Trofa, Bruno Moraes mostrou toda a sua classe e tornou-se um dos jogadores mais importantes da equipa, tendo marcado 18 golos em 27 partidas disputadas. O avançado brasileiro continuou a jogar no C.D. Trofense até Janeiro de 2020, altura em que decidiu colocar um ponto final na sua carreira de futebolista.
Ainda em 2020, Bruno Moraes abraçou a carreira de treinador e assumiu o comando técnico da equipa de sub-16 do S.C. Canidelo.
No dia 25 de Julho de 2014 esteve presente no Estádio do Dragão onde voltou a vestir a camisola do Futebol Clube do Porto para o jogo de despedida e homenagem a Deco.

Palmarés
1 Liga dos Campeões
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato Brasileiro

28 de junho de 2021

Trindade

Trindade foi um futebolista, jogou na posição de guarda-redes, que representou o Futebol Clube do Porto na época de 1931/32.
Para além do futebol, Trindade, praticou andebol, atletismo e basquetebol, sempre com a camisola do F.C. Porto vestida.
Em Fevereiro de 1932, o guarda-redes titular dos Dragões, Siska, lesionou-se e Trindade foi chamado a defender a baliza portista. A estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 14 de Fevereiro de 1932 no Estádio do Candal, em Vila Nova de Gaia, onde os azuis e brancos receberam e venceram o Sport Progresso por 9-1, num jogo a contar para a 6ª jornada do Campeonato do Porto.
Trindade jogou as restantes duas partidas do Campeonato do Porto contra o Leixões S.C., com vitória dos Dragões por 12-2, e contra o S.C. Salgueiros, jogo que o F.C. Porto venceu por 4-1. Trindade disputou ainda o jogo da 1ª eliminatória do Campeonato de Portugal, em Abril de 1932, contra o Ginásio Sportivo Lis, tendo os Dragões ganho por 18-0.
Trindade apenas esteve uma temporada ao serviço do F.C. Porto. Disputou 4 jogos oficiais e conquistou dois títulos.

Palmarés
1 Campeonato de Portugal
1 Campeonato do Porto

20 de junho de 2021

André Castro

André Castro Pereira nasceu no dia 2 de Abril de 1988 em Gondomar.
Começou por jogar futebol de 5, quando tinha cinco anos de idade, no Grupo Dramático e Beneficente de Rio Tinto. Aos oito anos foi para o Gondomar S.C. onde esteve três anos.
No ano de 1999 e quando contava com 11 anos ingressou nos infantis do Futebol Clube do Porto.
Nos Dragões passou por todos os escalões de formação até ascender a sénior no final da época de 2006/07. Na temporada seguinte integrou o plantel principal portista que era comandado por Jesualdo Ferreira.
Castro estreou-se como sénior em jogos oficiais no dia 2 de Fevereiro de 2008 no Estádio do Dragão, onde o F.C. Porto recebeu e venceu o U.D. Leiria por 4-0, num jogo que contou para a 18ª jornada do Campeonato Nacional de 2007/08. Castro entrou aos 79 minutos de jogo para substituir Paulo Assunção.
Na sua primeira época como sénior, Castro sagrou-se Campeão Nacional, tendo disputado três jogos oficiais (dois a contar para o campeonato e um para a Taça de Portugal).
Nas temporadas de 2008/09 e 2009/10 esteve emprestado ao S.C. Olhanense, onde conquistou o Campeonato Nacional da II Liga na primeira época em que representou os algarvios.
Em 2010/11 regressou ao F.C. Porto. De novo sagrou-se Campeão Nacional, venceu a Taça de Portugal e conquistou a Liga Europa.
A meio dessa temporada foi emprestado aos espanhóis do R.S. Gijón, onde se manteve também na época seguinte.
Em 2012/13 regressou mais uma vez ao F.C. Porto para ser outra vez Campeão Nacional ao que juntou a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira. Foi a sua melhor temporada de Dragão ao peito tendo disputado 25 jogos oficiais e ainda marcou o único golo com a camisola portista, na vitória do F.C. Porto sobre a Académica de Coimbra por 3-0, Castro apontou o ultimo golo aos 89 minutos de jogo que foi disputado na cidade dos estudantes no final de Março de 2013. Essa acabou por ser a sua última época no F.C. Porto.
Castro esteve três temporadas ao serviço dos Dragões. Disputou 34 jogos oficiais, marcou 1 golo e conquistou 6 títulos.
Em 2013/14, rumou à Turquia para jogar no Kasimpasa S.K., onde esteve quatro épocas. Em 2017/18, transferiu-se para o Goztepe S.K. e no clube da cidade de Izmir permaneceu durante quatro temporadas. Na época de 2020/21, regressou a Portugal para jogar no S.C. Braga e ajudou o emblema bracarense a conquistar a Taça de Portugal.
Castro é bisneto de Francisco Castro, antigo futebolista do F.C. Porto que foi Campeão Nacional em 1934/35 e vencedor do Campeonato de Portugal em 1931/32.

Palmarés
1 Liga Europa
3 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato Nacional 2ª Divisão (Portugal)
2 Taças de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira

13 de junho de 2021

Alessandro

Alessandro Andrade de Oliveira nasceu no dia 27 de Maio de 1973 em Teixeira de Freitas, um município do estado da Bahia, Brasil.
Alessandro começou a jogar futebol no Novorizontino. Depois de ter passado pelos escalões de formação do pequeno clube de Belo Horizonte, passou a sénior em 1993 e no ano seguinte conquistou o título de Campeão Brasileiro da Série C. Depois de passar pelo C.R. Vasco da Gama e pelo Santos F.C., Alessandro rumou ao Japão onde jogou durante dois anos no Júbilo Iwata, tendo vencido o Campeonato do Japão em 1997 e a Taça da Liga do Japão em 1998. Ainda em 1998, regressou ao Brasil e ao Santos F.C., tendo conquistado a Taça Conmebol e tornou-se um dos jogadores mais importantes da equipa, o que lhe valeu a chamada à seleção brasileira e o interesse de vários clubes europeus.
No início da época de 1999/2000, Alessandro foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola azul e branca aconteceu no dia 15 de Agosto de 1999 no Estádio das Antas, onde os portistas receberam e venceram o S.C. Beira-Mar por 3-1, num jogo a contar para a 2ª mão da Supertaça Cândido de Oliveira. Um troféu que o F.C. Porto conquistou depois de ter vencido a partida da 1ª mão por 2-1 em Aveiro.
O primeiro golo que Alessandro marcou com a camisola do F.C. Porto, foi no jogo da 18ª jornada do Campeonato Nacional de 1999/2000 contra o Boavista F.C. no Estádio das Antas. Alessandro saltou do banco de suplentes aos 63 minutos, a substituir Chaínho, e aos 79 minutos marcou o único golo da partida.
Alessandro disputou 34 jogos oficiais e marcou 1 golo. Apesar de não ter sido um titular indiscutível (foi por 12 vezes titular e 4 vezes jogou os 90 minutos), Alessandro sempre foi uma opção útil durante os jogos, por ser um jogador veloz e com boa técnica.
Na temporada seguinte, Alessandro voltou ao Brasil onde jogou, por empréstimo, no Fluminense F.C. e no Cruzeiro E.C.
Em 2001/02, Alessandro regressou ao F.C. Porto, mas apenas esteve presente nos dois primeiros jogos oficiais da temporada, quando os portistas defrontaram os galeses do Barry Town F.C. para a 2ª pré-eliminatória da Liga dos Campeões. No jogo da 1ª mão os Dragões venceram por 8-0 e Alessandro foi suplente não utilizado. Na partida da 2ª mão foi titular e jogou os 90 minutos, os últimos com a camisola do F.C. Porto.
Alessandro voltou ao Brasil e ao Cruzeiro E.C.. Mais tarde teve uma curta passagem pelo Kuwait S.C., também pelo Al-Ahli da Arabia Saudita e ainda pelos turcos do Denizlispor. Pelo meio jogou no Clube Atlético Mineiro, S.C. Corinthians, Figueirense F.C..
Em 2012, regressou às origens, ao extinto Novorizontino, mas que passou a chamar-se: Grêmio Novorizontino, clube que tem as mesmas cores, o mesmo emblema, a mesma mascote e joga no mesmo estádio. Alessandro e mais cinco financiadores, pagaram quase 1 milhão de reais da inscrição do clube na Federação Paulista. Alessandro assumiu a função de dirigente, mas ainda jogou no clube durante um ano, onde terminou a sua carreira de futebolista.
Alessandro foi internacional pelo Brasil, representou por uma vez a seleção brasileira num jogo contra a Coréia do Sul, disputado no dia 28 de março de 1999.

Palmarés
1 Taça Conmebol
1 Campeonato do Japão
1 Campeonato Brasileiro Série C
1 Taça de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira
1 Taça da Liga do Japão

6 de junho de 2021

Danilo Pereira

 
Danilo Luís Hélio Pereira nasceu no dia 9 de Setembro de 1991 em Bissau, Guiné Bissau.
Foi no Arsenal 72, um pequeno clube de Mem Martins, que Danilo começou a jogar futebol com pouco mais de 10 anos de idade. Passou depois pelos juniores do G.D. Estoril Praia e ainda pelo S.L. Benfica. Em 2010 viajou para Itália onde foi representar o Parma F.C., alinhando na equipa de sub-19. Em Janeiro de 2011, foi emprestado aos gregos do F.C. Aris Salónica, tendo disputado 5 jogos no campeonato grego. Na temporada de 2011/12, regressou ao Parma F.C. e estreou-se na Serie-A em Dezembro, tendo sido utilizado em mais quatro partidas. Na época seguinte voltou a ser emprestado e rumou aos holandeses do Roda, onde foi um dos jogadores mais utilizados do plantel.
No início da temporada de 2013/14 regressou a Portugal para representar o C.S. Marítimo. No clube madeirense, Danilo esteve duas épocas, realizando boas exibições e tornando-se um dos jogadores mais uteis do plantel maritimista, começando a despertar a cobiça e o interesse dos maiores clubes nacionais.
No verão de 2015, foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 15 de Agosto de 2015 no Estádio do Dragão, onde os portistas receberam e venceram o V. Guimarães por 3-0, numa partida que valeu para a 1ª jornada do Campeonato Nacional de 2015/16.
Apesar de jogar como médio defensivo, Danilo não se coibia de tentar alvejar a baliza adversária, conseguindo ter sucesso por várias vezes. A primeira vez que isso aconteceu foi no jogo da 9ª jornada do campeonato nacional da época de 2015/16, quando o F.C. Porto visitou o C.F. União da Madeira e venceu por 4-0, com Danilo a apontar o ultimo golo da partida já nos minutos finais.
Para além dessa temporada de 2015/16, Danilo jogou de Dragão ao peito por mais quatro anos, sendo sempre um dos jogadores mais utilizados pelos treinadores que passaram nesse período pelos Dragões, que não abdicavam do seu sentido táctico, agressividade defensiva e do seu excelente jogo de cabeça que valeram muitos golos e algumas vitórias.
Ao serviço do F.C. Porto, Danilo disputou 202 jogos oficiais, marcou 19 golos e conquistou 4 títulos (2 Campeonatos Nacionais, 1 Taça de Portugal e 1 Supertaça Cândido de Oliveira).
Em Outubro de 2020, já depois de ter iniciado a temporada de 2020/21 e de Danilo ter disputado 3 partidas com a camisola do F.C. Porto, rumou a França para jogar no Paris S.G., tendo conquistado a Taça de França e a Supertaça de França.
Danilo é internacional por Portugal. Esteve presente no Campeonato da Europa de 2016 e na Taça das Nações de 2019, competições que venceu. Marcou também presença na Taça das Confederações em 2017.

Palmarés
1 Campeonato da Europa (Selecções)
1 Taça das Nações (Selecções)
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Taça de Portugal
1 Taça de França
1 Supertaça Cândido de Oliveira
1 Supertaça de França

30 de maio de 2021

José Castro

José Castro Ferreira foi um futebolista que representou o Futebol Clube do Porto no final da década de trinta e início da década de quarenta.
O primeiro jogo que efectuou com a camisola dos Dragões teve lugar no Campo da Constituição, onde os portistas receberam e venceram o Boavista F.C. Por 4-0, numa partida que contou para a 1ª jornada do Campeonato do Porto da temporada de 1937/38 e que aconteceu no dia 28 de Novembro de 1937.
José Castro sagrou-se Campeão Regional do Porto logo na sua primeira temporada, com os portistas a vencerem todos os dez jogos da competição.
Na época seguinte, José Castro repete a conquista do Campeonato do Porto e sagra-se ainda Campeão Nacional.
Foi também nessa temporada que marcou o seu primeiro golo com a camisola azul e branca. Na 9ª jornada do Campeonato Nacional, os portistas receberam no Campo da Constituição a Académica de Coimbra, com os estudantes a serem derrotados por 3-1. José Castro apontou o terceiro golo do F.C. Porto aos 71 minutos de jogo.
Em 1939/40 José Castro tornou-se Bi-Campeão Nacional. O F.C. Porto venceu 17 dos 18 jogos que completaram o calendário do campeonato, tendo marcado 76 golos, com 2 de autoria de José Castro.
Castro esteve ao serviço do F.C. Porto durante três épocas. Disputou 13 jogos oficiais, marcou 3 golos e conquistou 4 Títulos.

Palmarés
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
2 Campeonatos do Porto

23 de maio de 2021

José de Sá

José de Sá foi um antigo dirigente do Futebol Clube do Porto.
Conhecido nas hostes azuis e brancas por ser uma pessoa responsável, modesta e que sempre fazia valer a sua palavra.
Foi Presidente da Assembleia Geral do F.C. Porto, onde deixou a sua personalidade bem vincada. Mais tarde chegou a membro do Conselho Geral dos Dragões.
José de Sá foi também Presidente da Associação de Futebol do Porto, cargo que ocupou durante dois anos. Mais tarde foi membro do Conselho Fiscal da mesma associação, cargos que ocupou sempre com a mesma dedicação e profissionalismo.

16 de maio de 2021

Ricardo Fernandes

Ricardo Ribeiro Fernandes nasceu no dia 21 de Abril de 1978 em Moreira de Cónegos.
Filho de um encarregado de secção de peças e stocks numa empresa em Moreira de Cónegos e de uma costureira, Ricardo Fernandes começou a jogar futebol aos 9 anos no C.D. Aves. Depois de ter crescido como futebolista nos escalões de formação do clube avense, ingressou no Moreirense F.C. com 18 anos e já como sénior. Em 1997/98 transferiu-se para o S.C. Freamunde. No início da época de 1999/2000 foi contratado pelo Sporting C.P. mas continuou no clube da cidade dos Capões por empréstimo durante essa época. Em 2000/01 foi cedido ao C.D. Santa Clara, onde conquistou o Campeonato Nacional da 2ª Divisão, e na temporada seguinte ao Gil Vicente F.C.. Em 2002/03 já integrou o plantel sportinguista, começando desde logo por vencer a Supertaça Cândido de Oliveira em Agosto de 2002, depois dos leoninos derrotarem o Leixões S.C. por 5-1, com dois golos de Ricardo Fernandes.
No início da época de 2003/04 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A estreia com a camisola azul e branca aconteceu no dia 10 de Agosto de 2003 no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, onde os portistas venceram o U.D. Leiria por 1-0 e conquistaram a Supertaça Cândido de Oliveira. Ricardo Fernandes entrou aos 87 minutos, para o lugar de Alenichev.
Pouco mais de um mês depois, Ricardo Fernandes marcou o seu primeiro golo de Dragão ao peito, no jogo da 4ª jornada do Campeonato Nacional disputado no Estádio Municipal da Marinha Grande onde o F.C. Porto reencontrou e voltou a vencer o U.D. Leiria, dessa vez por 3-1 e com Ricardo Fernandes a apontar o segundo golo dos Dragões na cobrança de um livre directo, no jogo de estreia no Campeonato Nacional pelos portistas em que pela primeira vez foi titular.
Nessa época, Ricardo Fernandes foi utilizado por José Mourinho 21 vezes. 13 jogos no Campeonato Nacional, 5 na Liga dos Campeões, 1 na Supertaça Cândido de Oliveira, 1 na Taça de Portugal e 1 na Supertaça Europeia. Foi titular em 8 vezes, marcou 1 golo e conquistou a Liga dos Campeões, sagrou-se Campeão Nacional e venceu a Supertaça Cândido de Oliveira.
Em 2004/05, transferiu-se para a Académica de Coimbra. Na temporada seguinte rumou ao Chipre para jogar no APOEL de Nicosia, onde esteve durante duas épocas e meia e conquistou 1 campeonato cipriota e duas Taças do Chipre. Passou depois pelos ucranianos do F.K. Metalurth Donetsk, pelos israelitas do Hapoel Be´er Sheva F.C., pelos gregos do Panetolikos Gymnastikos F.C. e ainda pelos cipriotas do Anorthosis Famagusta F.C., A.E. Limassol, DOXA F.C.e A.S. Omonia. Em 2016 regressou a Portugal para jogar no C.D. Trofense em 2016/17. Na época seguinte rumou ao F.C. Felgueiras, clube onde colocou um ponto final na sua carreira de futebolista, em Março de 2018.

Palmarés
1 Liga dos Campeões
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato Nacional 2ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato do Chipre
2 Taças do Chipre
2 Supertaças Cândido de Oliveira

9 de maio de 2021

António Carlos

António Carlos Santos nasceu no dia 8 de Junho de 1964 no Rio de Janeiro, Brasil.
Foi no Fluminense F.C. que começou a jogar futebol e depois de passar por todos os escalões de formação do clube carioca, ascendeu à categoria de sénior em 1982. António Carlos esteve três anos no tricolor das laranjeiras, onde jogou ao lado do defesa esquerdo Branco, tendo conquistado o Campeonato Carioca em 1983 e 1984, ano em que também ganhou o Campeonato Brasileiro. Em 1985, ingressou no Botafogo F.R. onde se manteve durante três anos. Em 1987 rumou ao México para jogar no C.F. América, tendo vestido a camisola dos “Los Azulcremas” durante cinco temporadas, em que conquistou o título de Campeão Mexicano em 1987/88 e 1988/89, e a Supertaça do México em 1988 e em 1989. Com um excelente pé esquerdo e uma admirável visão de jogo, António Carlos passou a ter sobre si os olhares atentos dos clubes europeus.
No início da época de 1992/93, foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
O seu primeiro jogo de Dragão ao peito aconteceu no Estádio das Antas, no dia 6 de Setembro de 1992, onde os portistas defrontaram e venceram o F.C. Paços de Ferreira por 2-0, numa partida a contar para a 3ª jornada do Campeonato Nacional.
Apenas três dias após a sua estreia, António Carlos conquistou o seu primeiro troféu de Dragão ao peito, com a vitória do F.C. Porto na Supertaça Cândido de Oliveira, depois de vencer o S.L. Benfica por 4-3 no desempate por penaltis, com António Carlos a ser decisivo ao marcar a terceira grande penalidade.
O primeiro golo que marcou com a camisola do F.C. Porto foi no jogo da 7ª jornada, na vitória dos Dragões sobre o S.C. Braga por 2-0. António Carlos substituiu Rui Filipe aos 45 minutos e apontou o segundo golo aos 78 minutos de jogo.
António Carlos voltou a marcar contra o S.C. Farense no jogo da 9ª jornada do Campeonato Nacional, no Estádio Das Antas O esquerdino abriu o marcador aos 13 minutos e depois Kostadinov e Semedo marcaram os outros golos do jogo.
Apesar de ter disputado apenas 14 jogos oficiais com a camisola do F.C. Porto e de ter marcado só dois golos, António Carlos espalhou classe nos relvados nacionais, mas não só. Na partida da 1ª mão da 2ª eliminatória da Liga dos Campeões, os Dragões foram à Suíça defrontar o F.C. Sion. Os helvéticos colocaram-se em vantagem por 2-0 aos 60 minutos. António Carlos entrou aos 69 minutos, a substituir Domingos, e foi preponderante para o F.C. Porto empatar a partida a duas bolas.
António Carlos esteve ao serviço do F.C. Porto apenas durante sete meses, mas foi o bastante para vencer a Supertaça Cândido de Oliveira e ajudar a conquistar o título de Campeão Nacional.
No início do ano de 1993, António Carlos regressou ao México e ao C.F. América. Na temporada seguinte ingressou no Club Tigres U.A.N.L.. Seguiu-se o C.D. Veracruz. Em 1996, rumou ao Japão onde jogou durante uma época no Sanfrecce Hiroshima F.C.. Depois regressou ao México para vestir a camisola do Club Santos Laguna em 1997/98, do C.A. Morelia em 1998/99 e do C.F. Atlante, onde terminou a sua carreira de futebolista no ano de 2000 com 36 anos.
Depois de deixar o futebol foi comentador de um canal de televisão mexicana durante alguns anos e mais tarde tornou-se empresário no ramo petrolífero.

Palmarés
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato do Brasil
2 Campeonatos do México
2 Campeonatos Cariocas
1 Supertaça Cândido de Oliveira
2 Supertaças do México

2 de maio de 2021

Alex Telles

Alex Nicolau Telles nasceu no dia 15 de Dezembro de 1992 em Caxias do Sul, um município do estado do Rio Grande do Sul, Brasil.
Foi no clube da sua terra, o E.C. Juventude, que Alex Telles começou a jogar futebol em 2007. Depois de ter passado por todos os escalões de formação, passou a sénior em 2001 e integrou o plantel principal do emblema de Caxias do Sul.
Em 2013, transferiu-se para o Grémio e foi no emblema de Porto Alegre que Alex Telles mostrou todas as suas qualidades de futebolista, sendo considerado o melhor lateral esquerdo do campeonato brasileiro de 2013.
Em Janeiro de 2014 rumou à Turquia para jogar no Galatasaray S.K. onde se manteve durante duas épocas, tendo conquistado o título de campeão da Turquia em 2014/15, venceu por duas vezes a Taça da Turquia e uma Supertaça turca em 2015.
No mês de Agosto de 2015, Telles foi emprestado aos italianos do Inter de Milão, tendo disputado 22 jogos pelo emblema italiano.
No dia 12 de Julho de 2016 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no Estádio dos Arcos onde os portistas visitaram e venceram o Ria Ave F.C. por 3-1, num jogo que valeu para a jornada inaugural do Campeonato Nacional de 2016/17. Não se pode dizer que a estreia de Alex Telles foi maravilhosa, pois o defesa brasileiro acabou por ser expulso aos 65 minutos, depois de ter visto dois cartões amarelos.
Apesar de ser defesa, Alex Telles também marcava golos e cada temporada que passava batia o seu recorde, ao ponto de se tornar o defesa que mais golos marcou com a camisola do F.C. Porto. O primeiro golo que assinou apareceu na jornada 6 do Campeonato Nacional de 2016/17, foi marcado no Estádio do Dragão quando os portistas receberam e venceram o Boavista F.C. por 3-1. Telles fechou o marcador aos 86 minutos de jogo.
Na época de 2017/18, disputou 45 jogos e marcou 4 golos, mais três do que na temporada anterior. No final da época sagrou-se Campeão Nacional e foi considerado o melhor jogador do Campeonato Nacional e o melhor lateral esquerdo pelo site “GoalPoint”.
A temporada de 2018/19 começou com a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira. Telles foi utilizado em 53 jogos e marcou 6 golos.
Em 2019/20, voltou a estar em alto nível, disputou 49 jogos e apontou 13 golos. Voltou a sagrar-se Campeão Nacional e conquistou a Taça de Portugal.
A veia goleadora de Alex Telles continuou activa em 2020/21 ao marcar dois golos na vitória por 3-1 com que o F.C. Porto derrotou o S.C. Braga na 1ª jornada do Campeonato Nacional. Sem ainda que ninguém soubesse, esses foram os últimos golos que Telles marcou de Dragão ao peito, já que poucos dias depois foi contratado pelo Manchester United F.C.
Nos 50 meses em que esteve ao serviço do F.C. Porto, Alex Telles disputou 195 jogos oficiais, marcou 26 golos, fez 39 assistências e conquistou 4 títulos.
Alex Telles é internacional pelo Brasil, vestiu por uma vez a camisola da selecção canarinha.

Palmarés
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato da Turquia
2 Taças da Turquia
1 Taça de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira

25 de abril de 2021

João Manuel Pinto

João Manuel Pinto Tomé Santos nasceu no dia 26 de Maio de 1973 em Lisboa.
Foi com 14 anos que começou a jogar futebol no G.D. Chelas. No ano seguinte, na época de 1987/88, mudou de ares e passou a jogar no S.L. Olivais. Em 1989/90 aconteceu nova mudança de clube para se juntar aos juniores B do Clube Oriental de Lisboa. No seu segundo ano de júnior, pelos “Guerreiros de Marvila”, estreou-se como sénior num jogo contra o C.D.R. Quarteirense a contar para a Taça de Portugal. Em 1991/92 foi contratado pelo C.F. Belenenses que o emprestou logo de seguida ao S.C. Campomaiorense, que jogava na 2ª Divisão e no final dessa época sagrou-se Campeão Nacional da 2ª Divisão. Na temporada seguinte regressa ao Restelo para só sair três anos mais tarde, mas pelo meio realizou boas exibições, mostrou qualidade e despertou o interesse dos principais clubes nacionais.
No início da época de 1995/96 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A primeira vez que vestiu a camisola dos Dragões aconteceu no dia 22 de Outubro de 1995 quando no Estádio das Antas os portistas receberam e venceram o S.C. Campomaiorense por 5-0, num jogo que valeu para a 8ª jornada do Campeonato Nacional de 1995/96. João Manuel Pinto substituiu José Carlos aos 61 minutos.
Apesar de jogar a defesa central, João Manuel Pinto também marcava alguns golos e o primeiro que apontou de Dragão ao peito apareceu no jogo da 22ª jornada, também a contar para o Campeonato Nacional de 1995/96, com o F.C. Porto a receber e a golear o F.C. Felgueiras por 6-2 e foi João Manuel Pinto a inaugurar o marcador aos 4 minutos.
No final dessa época de 1995/96 sagrou-se Campeão Nacional.
Na temporada seguinte repetiu o título de Campeão Nacional ao que juntou a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira.
Em 1997/98 mais uma vez sagrou-se Campeão Nacional e venceu a sua primeira Taça de Portugal.
Na época que se seguiu voltou a conquistar o Campeonato Nacional e a Supertaça Cândido de Oliveira.
Na temporada de 1999/00 venceu a Taça de Portugal.
Foram seis os anos que João Manuel Pinto representou o F.C. Porto. Durante esse período disputou 110 jogos oficiais, marcou 12 golos e conquistou 8 títulos (4 Campeonatos Nacionais, 2 Taças de Portugal e 2 Supertaças Cândido de Oliveira).
Em 2001/02 transferiu-se para o S.L. Benfica onde jogou durante dois anos até rumar a Espanha para ingressar no C.F. Murcia na época de 2003/04. Na temporada seguinte rumou à Suiça onde vestiu a camisola do F.C. Sion durante três anos, tendo conquistado a Taça da Suiça em 2005/06. No final da época de 2006/07 colocou um ponto final na sua carreira de futebolista.
João Manuel Pinto foi internacional por Portugal, vestiu a camisola da Selecção Nacional por uma ocasião.
Em 2013/14 iniciou a carreira de treinador no C.D. Cinfães. Na temporada seguinte assumiu o comando técnico dos suiços do F.C. Martigny-Sports. Em 2016 teve uma breve passagem pelo Brasil para ser o coordenador de formação do Associação Portuguesa dos Desportos. Ainda em 2016 regressou a Portugal e passou a comandar a equipa técnica do L.G.C. Moncarapachense. Em 2017/18 foi treinador do Lusitano F.C.. Na temporada seguinte treinou o Sertanense F.C. e em 2019/20 assumiu o comando da equipa do S.C. Vila Real.

Palmarés
4 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato Nacional 2ª Divisão (Portugal)
2 Taças de Portugal
2 Supertaças de Portugal
1 Taça da Suiça

18 de abril de 2021

José Francisco

José Francisco foi um dos primeiros futebolistas da história do Futebol Clube do Porto.
Numa época em que o futebol em Portugal dava os primeiros passos, em que os jogos oficiais eram uma raridade, o F.C. Porto e o Leixões S.C. fundaram a Associação de Futebol do Porto no dia 3 de Outubro de 1913, com o intuito de organizar um campeonato regional, o que aconteceu pela primeira vez na temporada de 1913/14.
No dia 16 de Maio de 1915, o F.C. Porto conquistou o seu primeiro título da história ao vencer o Campeonato do Porto de 1914/15. José Francisco foi um dos futebolistas que escreveu o seu nome nessa conquista. Para além do título de Campeão Regional, José Francisco esteve na vitória dos Dragões na Taça Monteiro da Costa.
Na época seguinte, José Francisco voltou a conquistar o Campeonato do Porto.
Nas duas temporadas em que esteve ao serviço do F.C. Porto, José Francisco conquistou dois títulos.

Palmarés
2 Campeonatos do Porto

11 de abril de 2021

Taça 9 de Abril

Em 1928, o Futebol Clube do Porto foi convidado a participar num jogo de futebol de beneficência, integrado nas cerimónias da Batalha de La Lys (I Guerra Mundial). O jogo realizou-se na cidade do Porto, no dia 12 de Abril, com os azuis e brancos a apresentarem a equipa principal em campo e a vencer uma Selecção Militar por 4-0. Pela vitória na partida, o F.C. Porto recebeu a Taça 9 de Abril, mas o dinheiro realizado pela organização do jogo destinou-se à Casa dos Filhos dos Soldados, fundada em 1971 no Porto.
A Taça 9 de Abril transporta memórias da equipa de futebol do F.C. Porto de 1927/28, a primeira do clube a trabalhar às ordens de um treinador português. Esse destaque na história pertence a Alexandre Cal, que também foi futebolista e praticante de ténis, boxe e atletismo no F.C. Porto, além de ter ocupado funções de dirigente no clube.
A equipa de 1927/28 incluía grandes nomes da história azul e branca, com destaque para Cesário Bonito, que foi presidente dos Dragões, e Simplício, que desenhou o emblema do F.C. Porto como hoje o conhecemos em 1922. O plantel foi o seguinte: Acácio Mesquita, Adelino Freire, Álvaro Pereira, Álvaro Sequeira, Euclides Anaura, Noise, Simplício, Avelino Martins, Cesário Bonito, Coelho da Costa, Flávio Laranjeira, Jerónimo Faria, Júlio Cardoso, Mihaly Siska, Norman Hall, Pedro Themudo e Waldemar Mota.

4 de abril de 2021

Diego Reyes

Diego Antonio Reyes Rosales nasceu no dia 19 de Setembro de 1992 na Cidade do México, a capital do México.
Depois de ter feito toda a formação futebolística no C.F. América, Diego Reyes ascendeu à categoria sénior na época de 2009/10 e efectuou o seu primeiro jogo no dia 25 de Abril de 2010, com 17 anos. Nas quatro épocas em que representou o C.F. América, Reyes cimentou aos poucos a sua influência na equipa, tornou-se um dos jogadores mais importantes do clube mexicano e venceu o Campeonato Mexicano Clausura 2013.
No dia 17 de Dezembro de 2012, o Futebol Clube do Porto e o C.F. América chegaram a acordo para a transferência de Diego Reyes em Julho de 2013.
Depois de ter disputado cinco jogos com a equipa B, Reyes estreou-se na equipa principal dos Dragões no dia 19 de Outubro de 2013 no Estádio do Dragão, onde os portistas receberam e venceram o C.D. Trofense por 1-0, numa partida que contou para a 3ª Eliminatória da Taça de Portugal de 2013/14.
Nessa temporada e também na seguinte, Reyes foi alternando entre a equipa principal e a equipa B. Disputou 23 jogos pela formação principal e 25 com a equipa B.
Em 2015/16 e em 2016/17, continuou a vestir de azul e branco às listas, mas jogou por empréstimo no Real Sociedad e no R.C. Espanyol, respectivamente.
Na época de 2017/18, regressou ao F.C. Porto para realizar a sua melhor temporada de Dragão ao peito. Foi utilizado 24 vezes pelo treinador Sérgio Conceição. Foi titular em 16 jogos e em apenas duas vezes foi substituído. No final da temporada, a sua última como Dragão, festejou a conquista do título de Campeão Nacional.
Diego Reyes esteve três temporadas ao serviço do F.C. Porto. Disputou 47 jogos oficiais, marcou 3 golos e conquistou 1 título.
Em 2018/19, rumou à Turquia onde vestiu a camisola do Fenerbahçe por 14 vezes. Ainda nessa época retornou a Espanha, para voltar a vestir de azul e branco às listas, para jogar por empréstimo no C.D. Leganés. Em 2019/20, regressou ao México para jogar no Club Tigres U.A.N.L., onde conquistou a Liga dos Campeões da CONCACAF em 2020.
Diego Reyes é internacional pelo México e já representou a seleção Azteca por várias vezes. Esteve presente nos Jogos Pan-Americanos de 2011, na Copa América de 2011 e 2016, nos Jogos Olímpicos de 2012, na Taça das Confederações de 2013 e 2017, no Campeonato do Mundo de 2014, na CONCACAF Cup de 2015 e na Gold Cup de 2015 e 2019.


Palmarés
2 Gold Cup (Seleções)
1 Medalha de Ouro Olímpica (Seleções)
1 CONCACAF Cup (Seleções)
1 Liga dos Campeões CONCACAF
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato do México Clausura

28 de março de 2021

José Avelino Peixoto

José Avelino Peixoto foi um antigo dirigente do Futebol Clube do Porto.
Foi desde jovem que começou a fazer parte do universo portista ao praticar diversas modalidades como Natação, Atletismo e Rugby onde se destacou e para além de praticante foi ainda dirigente durante seis anos.
Foi Director do F.C. Porto nos mandatos de Eduardo Dumont Villares, entre 1934/1936 e ainda de Carlos Teixeira da Costa Júnior entre 1936/1938. Nos dois casos foi o responsável para a angariação de fundos, levando a bom porto o seu trabalho numa altura em que o clube atravessava sérias dificuldades.

21 de março de 2021

César Peixoto

Paulo César Silva Peixoto nasceu no dia 12 de Maio de 1980 em Caldas das Taipas.
Com 10 anos de idade começou a jogar futebol no V. Guimarães. Aos 16 anos foi emprestado ao G.D. Ribeira de Pena e nos dois anos seguintes esteve, também por empréstimo, no Brito S.C.. No seu último ano de junior regressou ao V. Guimarães. Na temporada de 1999/2000, desvinculou-se dos vimaranenses e ingressou no clube da sua terra natal, o Clube Caçadores das Taipas, onde jogou durante duas épocas e onde foi Campeão Nacional da 3ª Divisão. Na época seguinte deu o salto para a 1ª Divisão ao transferir-se para o C.F. Belenenses e não demorou a mostrar toda a sua qualidade, o que despertou a curiosidade e o interesse dos principais clubes nacionais e alguns estrangeiros.
No início da temporada de 2002/03, foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 25 de Agosto de 2002 no Estádio das Antas, precisamente contra a sua anterior equipa, o C.F. Belenenses, no jogo da jornada inaugural do Campeonato Nacional de 2002/03 e que terminou com um empate a dois.
O primeiro golo que marcou com a camisola azul e branca foi no jogo da 21ª jornada do Campeonato Nacional, na vitória do F.C. Porto sobre o V. Guimarães por 2-1. César Peixoto inaugurou o marcador aos 25 minutos de jogo.
Nessa temporada foi utilizado pelo treinador, José Mourinho, em 21 jogos oficiais e apontou 4 golos. Mas mais importante foram os troféus que conquistou. Sagrou-se Campeão Nacional, ganhou a Taça de Portugal e a Taça UEFA.
Na época seguinte, apenas disputou 5 partidas, devido a uma lesão grave que sofreu em Outubro e que o afastou dos relvados durante um longo período de tempo, ainda assim no final da época voltou a festejar a conquista de títulos. Começou com a Supertaça Cândido de Oliveira, sagrou-se pela segunda vez Campeão Nacional e venceu a Liga dos Campeões.
A temporada de 2004/05 começou com a conquista da sua segunda Supertaça Cândido de Oliveira. Em Dezembro e para fechar o ano da melhor maneira, festejou a vitória na Taça Intercontinental. Em Janeiro de 2005, foi emprestado ao V. Guimarães até ao final da época.
Em 2005/06, regressou ao F.C. Porto. Começou a época em grande e jogou os 90 minutos nas nove primeiras partidas. Foi sempre um jogador a ter em conta pelo técnico holandês Co Adriaanse, mas em Janeiro voltou a lesionar-se com gravidade e ficou de fora oito meses. No final da temporada voltou a sagrar-se Campeão Nacional e conquistou a Taça de Portugal.
Depois de ter passado uma época emprestado ao R.C.D. Espanyol, onde não disputou nenhum jogo devido a complicações no joelho onde se tinha lesionado, César Peixoto regressou a Portugal e terminou o seu contrato com o F.C. Porto. Nas quatro épocas em que esteve ao serviço dos Dragões disputou 55 jogos oficiais, marcou 10 golos e conquistou 10 títulos (1 Taça Intercontinental, 1 Liga dos Campeões, 1 Taça UEFA, 3 Campeonatos Nacionais, 2 Taças de Portugal e 2 Supertaças Cândido de Oliveira).
Nas duas épocas seguintes jogou no S.C. Braga, onde venceu uma Taça Intertoto. Passou depois outras duas temporadas no S.L. Benfica e venceu 1 Campeonato Nacional e duas Taças da Liga. Em 2011/12, ingressou no Gil Vicente F.C., onde jogou durante quatro épocas e onde terminou a carreira de futebolista. Na temporada de 2018/19, César Peixoto estreou-se como treinador no Varzim S.C.. Passou depois pela Académica de Coimbra, G.D. Chaves e Moreirense F.C..
César Peixoto foi por uma vez internacional por Portugal.

Palmarés
1 Taça Intercontinental
1 Liga dos Campeões
1 Taça UEFA
4 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato Nacional 3ª Divisão (Portugal)
2 Taças de Portugal
2 Supertaças Cândido de Oliveira
2 Taças de Portugal

14 de março de 2021

Fábio Silva

Fábio Daniel Soares Silva nasceu no dia 19 de Julho de 2002 em Gondomar.
Filho de Jorge Silva, antigo defesa do Boavista F.C., Fábio começou a jogar futebol aos 6 anos de idade no União Nogueirense F.C., clube onde também jogava o seu irmão mais velho, Jorge Filipe Silva. No ano seguinte Fábio voltou a seguir o seu irmão quando este ingressou no Gondomar S.C.. Depois de ter passado um ano na formação do emblema gondomarense, ingressou no seu clube do coração, o Futebol Clube do Porto, com 8 anos e mais uma vez a acompanhar o seu irmão. Aos 13 anos, Fábio voltou a seguir o seu irmão Jorge e ambos foram para o S.L. Benfica. No segundo ano a jogar no clube lisboeta, Fábio Silva começou a não estar satisfeito em Lisboa e recusou por várias vezes propostas de contratos que o clube lisboeta lhe ofereceu. O F.C. Porto soube do seu descontentamento e logo tratou de fazer regressar o jovem avançado e confiou a tarefa a José Tavares, o responsável pela coordenação da formação dos Dragões, que viajou até ao Algarve, onde Fábio Silva passava férias com a sua família, para o convencer a voltar a vestir de azul e branco. Fábio teve propostas do Liverpool F.C. e também do Manchester City F.C., mas preferiu regressar ao F.C. Porto, o que também foi de encontro à vontade da sua família. No seu regresso aos Dragões, Fábio Silva conquistou o Campeonato Nacional de Juniores A em 2018/19 e ainda a UEFA Youth League.
Com 64 golos apontados em 72 jogos nas duas épocas em que jogou nos juniores portistas, Fábio Silva deu o salto para o plantel sénior dos Dragões.
A estreia na equipa principal do F.C. Porto aconteceu no dia 10 de Agosto de 2019 no Estádio Cidade de Barcelos, onde os portistas defrontaram o Gil Vicente F.C.. Fábio Silva entrou aos 79 minutos a substituir Otávio e tornou-se no mais jovem portista a participar num jogo a contar para o principal escalão, com 17 anos e 22 dias.
No dia 25 de Setembro, Fábio Silva tornou-se no mais jovem titular de sempre no F.C. Porto, no jogo da Taça da Liga contra o C.D. Santa Clara que os portistas venceram por 1-0. Com 17 anos, dois meses e seis dias, o avançado bateu um registo que se mantinha desde 11 de dezembro de 1960, quando Serafim, também avançado, foi titular num S.L. Benfica - F.C. Porto para o campeonato com 17 anos, quatro meses e 16 dias.
O primeiro golo que marcou com a camisola do F.C. Porto foi no jogo da 3ª eliminatória da Taça de Portugal, quando os Dragões derrotaram o S.C. Coimbrões por 5-0 e Fábio Silva foi o autor do último golo da partida aos 81 minutos.
Mas o golo mais emotivo aconteceu no jogo do campeonato contra o Famalicão no Estádio do Dragão em que o F.C. Porto ganhou por 3-0 e Fábio Silva marcou o 3º golo aos 88 minutos e todo o estádio gritou o seu nome. Um momento que Fábio recordou mais tarde: "Esse momento marcou-me mais do que o próprio golo. Na altura quando o estádio estava a gritar pelo meu nome foi o momento que ficou mais na minha cabeça, o golo acabou por ficar em segundo plano. Porque era algo que desde muito novo brincava em casa com a minha irmã, muitas vezes eu gritava "Fábio!" e ela respondia "Silva!". Então, tornou-se como a realização de um sonho de infância."
No final dessa época, Fábio Silva sagrou-se Campeão Nacional e conquistou a Taça de Portugal. Em 21 jogos oficiais marcou 3 golos.
No início de Setembro de 2020 Fábio Silva deixou o F.C. Porto para rumar ao Wolverhampton Wanderers F.C. a troco de 40 milhões de euros.
Tal como tinha acontecido nos estádios nacionais, Fábio Silva continuou a quebrar recordes nos relvados ingleses e em Dezembro tornou-se no mais jovem de sempre a marcar um golo pelo Wolverhampton, com 18 anos e 155 dias. Fábio Silva tornou-se igualmente no português mais jovem de sempre a faturar na Premier League, superando Cristiano Ronaldo, que tinha apontado o seu primeiro tento (pelo Manchester United) com 18 anos e 269 dias.


Palmarés
1 UEFA Youth League
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Taça de Portugal

7 de março de 2021

Alan

Alan Osório da Costa Silva nasceu no dia 19 de Setembro de 1979 em Salvador, capital do estado da Bahia, Brasil.
Depois de ter passado pelos escalões de formação do Ipatinga F.C., Alan integrou o plantel sénior do emblema de Minas Gerais no ano de 2000. No início da temporada de 2001/02, chega a Portugal para jogar no C.S. Marítimo. Alan esteve quatro épocas no clube do Funchal, onde foi sempre um dos jogadores mais importantes da equipa. As boas exibições que efectuou com a camisola verde-rubra, despertaram o interesse dos maiores clubes nacionais.
No início da época de 2005/06, Alan foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 21 de Agosto de 2005 no Estádio do Dragão onde os portistas receberam e venceram o C.F. Estrela da Amadora por 1-0, num jogo a contar para a 1ª jornada do Campeonato Nacional de 2005/06. Alan foi a jogo aos 75 minutos, a substituir Hélder Postiga.
O primeiro golo que Alan marcou de Dragão ao peito aconteceu duas jornadas depois, na recepção do F.C. Porto ao Rio Ave F.C.. Alan apontou o segundo golo, aos 93 minutos, na vitória dos portistas sobre os vilacondenses por 3-0.
Nessa temporada, Alan disputou 31 jogos oficiais (14 como titular e 17 como suplente), sagrou-se Campeão Nacional e conquistou a Taça de Portugal.
A época de 2006/07 começou com a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira, depois do F.C. Porto vencer o V.Setúbal por 3-0. Nessa temporada, Alan perdeu influência na equipa e apenas foi utilizado por 12 vezes, sendo apenas titular em dois jogos e tal como na época anterior marcou 1 golo. No final da temporada, voltou a sagrar-se Campeão Nacional.
Depois de ter jogado uma época, por empréstimo, no V. Guimarães, Alan ingressou no S.C. Braga, clube onde jogou durante nove temporadas e onde conquistou uma Taça Intertoto, uma Taça de Portugal e uma Taça da Liga. No final da época de 2016/17, Alan colocou um ponto final na sua carreira de futebolista.
Em Junho de 2017, assumiu o cargo de Diretor de Relações Institucionais do S.C. Braga.

Palmarés
1 Taça Intertoto
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
2 Taças de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira
1 Taça da Liga

21 de fevereiro de 2021

José Aires Alves de Sá

José Aires Alves de Sá foi um antigo dirigente do Futebol Clube do Porto.
Foi nos anos de 1953 e 1954, no mandato de Urgel Horta, que passou a fazer parte dos Corpos Directivos dos Dragões.
Foi sob a sua responsabilidade que ficaram os obras de melhoramento do Campo da Constituição, numa altura em que o Estádio das Antas já era uma realidade.
Mas mesmo com o novo estádio já concluído, coube-lhe a tarefa de orientar melhoramentos. Um desses objectivos foi a construção do campo de treinos, uma obra que rapidamente foi posta em elaboração e que se mostrou de grande importância para os treinos da equipa de futebol dos azuis e brancos.
José Aires Alves de Sá sempre se mostrou um dirigente sério e focado no seu dever de servir sempre o F.C. Porto.

14 de fevereiro de 2021

José Sá

José Pedro Malheiro de Sá nasceu no dia 17 de Janeiro de 1993 em Braga.
Com 10 anos começou a jogar futebol no Palmeiras F.C., esteve no pequeno clube de Braga durante sete temporadas e em 2009 mudou de ares e passou a representar os sub-17 do Merelinense F.C., no ano seguinte passou pelo S.L. Benfica, depois em 2012 rumou à ilha da Madeira para jogar no C.S. Marítimo, clube onde passou a sénior na temporada de 2012/13. Nos Leões da Madeira jogou durante três épocas e meia, mas passou a ter os maiores clubes nacionais atentos e interessados nos seus serviços.
Em Janeiro de 2016 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
Começou por jogar na equipa B dos portistas com a sua estreia a ter lugar no Estádio Municipal de Penafiel onde os portistas defrontaram e empataram com a equipa local 1-1, num jogo que contou para a 30ª jornada do Campeonato Nacional da 2ª Divisão da temporada de 2015/16.
Nessa época, José Sá disputou 17 partidas oficiais pela equipa B dos Dragões e ajudou os azuis e brancos a conquistar o título de Campeão Nacional da 2ª Divisão, o que aconteceu pela primeira vez em Portugal, uma equipa B a vencer uma prova oficial.
Na temporada de 2016/17 José Sá já integrou o plantel principal portista, tendo disputado seis jogos oficiais.
A estreia na equipa principal aconteceu no dia 15 de Outubro de 2016 no Estádio Municipal de Aveiro onde os portistas visitaram e venceram o G.D. Gafanha por 3-0, um jogo que valeu para a 3ª eliminatória da Taça de Portugal de 2016/17.
Na época seguinte foi o dono da baliza azul branca em 21 partidas oficiais e assim contribuiu para no final da temporada se sagrar Campeão Nacional.
José Sá esteve três temporadas ao serviço do F.C. Porto, uma época na equipa B e duas no plantel principal. No total disputou 44 jogos oficiais e conquistou 2 títulos. É o primeiro futebolista a sagrar-se Campeão Nacional por uma equipa B e por uma equipa principal, sendo que foi no mesmo clube.
No verão de 2018 rumou à Grécia para representar, por empréstimo do F.C. Porto, o P.A.E. Olympiacos, clube que o contratou no final da época de 2018/19. No final da temporada de 2019/20 conquistou a Supertaça grega e sagrou-se Campeão da Grécia, título que voltou a vencer em 2020/21. Em 2021/22, transferiu-se para os ingleses do Wolverhampton Wanderers F.C.

Palmarés
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato Nacional 2ª Divisão (Portugal)
2 Campeonato da Grécia
1 Supertaça da Grécia

7 de fevereiro de 2021

Taça Fonte

A Taça Fonte, foi oferecida ao Futebol Clube do Porto pelos adeptos portistas residentes em Moçambique e na Rodésia, quando a equipa azul e branca visitou Moçambique no final da temporada de 1957/58 para disputar vários jogos amigáveis contra equipas locais.
A comitiva do F.C. Porto nessa viagem a África foi liderada por Paulo Pombo, presidente do clube. O director Mário Amaral, o médico Alfredo Sousa Nunes e o massagista Alfredo Gonçalves também acompanharam a equipa que era orientada pelo treinador Otto Bumbel. Os jogadores chamados a participarem na digressão foram: Albano Sarmento, Ângelo Sarmento, Armando, Barbosa, Carlos Duarte, Gastão, Hernâni, Jaburu, Miguel Arcanjo, António Morais, Noé, Osvaldo Silva, Perdigão, Pinho, José Maria Pedroto, Teixeira e Virgílio Mendes.
O F.C. Porto disputou cinco jogos em Moçambique, entre os dias 5 e 13 de Julho de 1958. Venceu o Ferroviário de Maputo por 3-1, o mesmo resultado com que derrotou o Desportivo de Maputo. Depois os portistas venceram as Selecções Regionais de Natal (4-2) e da Beira (3-0). Só a Selecção Regional de Lourenço Marques conseguiu empatar 1-1 com os azuis e brancos.

31 de janeiro de 2021

Aboubakar

Vincent Paté Aboubakar nasceu no dia 22 de Janeiro de 1992 em Yaoundé, Camarões.
Nos primeiros anos do novo milénio, Aboubakar iniciou a sua carreira de futebolista nas escolas de futebol Brasseries du Cameroun. Com 15 anos passou a jogar no Coton Sport F.C. onde fez a restante formação futebolística, tendo ascendido à categoria de sénior em 2010, bem a tempo de conquistar a Liga dos Camarões. No verão desse mesmo ano viajou para a Europa e aterrou em França, para jogar no Valenciennes F.C. onde permaneceu três temporadas.
Em 2013/14, transferiu-se para o F.C. Lorient e foi no clube da região da Bretanha que colocou em campo todo o seu valor e passou a despertar a cobiça dos clubes mais importantes da Europa.
Em Agosto de 2014 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no Estádio D. Afonso Henriques, no dia 14 de Setembro de 2014, onde portistas e vimaranenses empataram 1-1. Aboubakar saiu do banco de suplentes e substituiu Héctor Herrera já nos minutos finais da partida.
Apenas três dias depois, Aboubakar marcou o primeiro golo com a camisola azul e branca, quando o F.C. Porto recebeu e venceu por 6-0 o BATE Borisov, numa partida da 1ª jornada do Grupo H da Liga dos Campeões de 2014/15. Aboubakar apontou o último golo do encontro aos 76 minutos, depois de ter entrada a substituir Jackson Martínez aos 64 minutos de jogo.
Depois de duas épocas a jogar de Dragão ao peito, Aboubakar foi emprestado aos turcos do Besiktas J.K. na temporada de 2016/17, ajudando o emblema de Istambul a conquistar o titulo de campeão da Turquia dessa época.
Em 2017/18, regressou ao F.C. Porto. Ao longo da temporada, o avançado camaronês tornou-se num dos jogadores mais importantes da equipa orientada por Sérgio Conceição. Aboubakar realizou a sua melhor época da carreira, tendo marcado 26 golos em 43 jogos. No final da temporada, sagrou-se Campeão Nacional.
A época de 2018/19 começou com a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira e uma semana depois, no jogo inaugural do campeonato, Aboubakar bisou na vitória do F.C. Porto por 5-0 perante o G.D. Chaves. Mas em Setembro, num jogo contra o C.D. Tondela, Aboubakar lesionou-se com gravidade. Uma rotura total do ligamento cruzado anterior e ligamento lateral interno do joelho esquerdo fez com que perde-se praticamente toda a restante temporada, voltando aos relvados em Maio de 2019.
Em 2019/20, Aboubakar voltou a ser assolado por lesões, disputando apenas 9 jogos durante toda a temporada. Ainda assim deixou a sua marca e apontou os dois golos da vitória do F.C. Porto no terreno do B.S.C. Young Boys, no jogo da 5ª jornada do Grupo G da Liga Europa. No final da época, Aboubakar voltou a sagrar-se Campeão Nacional e conquistou a Taça de Portugal.
No início da temporada de 2020/21, foi contratado pelo Besiktas J.K. regressando assim a um ambiente que bem conhece. Nessa temporada voltou a sagrar-se campeão da Turquia e conquistou ainda a Taça da Turquia. Em Junho de 2021 foi contratado pelos sauditas do Al Nassr F.C.
Vincent Aboubakar é internacional pelos Camarões. Esteve presente nos Campeonatos do Mundo em 2010 e 2014, na Taça das Confederações em 2017 e na Taça das Nações Africanas em 2015 e 2017, ano em que conquistou a competição.

Palmarés
1 Taça das Nações Africanas
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato dos Camarões
2 Campeonato da Turquia
1 Taça de Portugal
1 Taça da Turquia
1 Supertaça Cândido de Oliveira

24 de janeiro de 2021

Ivo Araújo

Ivo Coelho Teixeira de Araújo foi um antigo dirigente do Futebol Clube do Porto.
Começou por integrar a direcção presidida por Cesário Bonito a desempenhar a função de vogal, mas pouco tempo depois já era Secretário Geral e foi nesse cargo que se destacou, não só no mandato de Cesário Bonito, mas também mais tarde, nas direcções lideradas por Urgel Horta e José Carvalho Moreira de Sousa. Fez ainda parte do Conselho Fiscal do emblema azul e branco.
Foi um dos mais fervorosos defensores da construção do Estádio das Antas. Um sonho que viu ser realizado depois de muitas lutas travadas para a angariação de fundos e de vontades.

17 de janeiro de 2021

Rúben Micael

Rúben Micael Freitas da Ressureição nasceu no dia 19 de Agosto de 1986 em Câmara de Lobos na ilha da Madeira.
Tinha 10 anos de idade quando passou a representar o G.D. Estreito, mas para jogar futsal. No ano seguinte entrou para as escolinhas do C.F. União da Madeira onde passou por todos os escalões de formação até ascender à categoria de sénior na temporada de 2003/04, depois ainda permaneceu no União durante quatro épocas até se transferir para o rival C.D. Nacional, em 2008/09 e foi nos alvinegros que Rúben Micael começou a despertar o assédio dos clubes nacionais mais importantes e não tardou muito a deixar a ilha da Madeira.
Em Janeiro de 2010 foi contrato pelo Futebol Clube do Porto.
O seu primeiro jogo oficial com a camisola azul e branca aconteceu no dia 24 de Janeiro de 2010 no Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril, onde os Dragões venceram o G.D. Estoril Praia por 2-0, numa partida que contou para a 3ª jornada da 2ª fase de grupos da Taça da Liga da época de 2009/2010.
Apesar de ser um centro campista, Rúben Micael sempre marcou golos em todos os clubes que passou e no F.C. Porto não foi diferente. O Primeiro que apontou de Dragão ao peito foi no jogo da 1ª mão da meia-final da Taça de Portugal de 2009/2010, quando os portistas visitaram o Rio Ave F.C. e venceram no Estádio dos Arcos os vilacondenses por 3-1, Rúben Micael inaugurou o marcador aos 20 minutos de jogo.
Apesar de ter chegado ao F.C. Porto já com meia temporada a decorrer, ainda foi a tempo de festejar a vitória na Taça de Portugal. Na época seguinte praticamente conquistou tudo o que poderia ter conquistado, apenas ficou a faltar a Taça da Liga, mas em compensação venceu a Supertaça Cândido de Oliveira, sagrou-se Campeão Nacional, repetiu a vitória na Taça de Portugal e ajudou a conquistar a Liga Europa.
Jogador tecnicamente disciplinado, foi sempre bastante útil aos treinadores portistas, Jesualdo Ferreira e André Villas-Boas, e foi sem grande surpresa que teve sobre si os olhares de vários clubes europeus.
Começou a temporada de 2011/12 como tinha iniciado a anterior, ou seja, a conquistar a Supertaça Cândido de Oliveira. Sete dias depois jogou 38 minutos na partida inaugural do Campeonato Nacional de 2011/12 e quatro dias depois deixou os Dragões para rumar a Madrid junto com Radamel Falcao.
Foram 19 os meses que Rúben Micael esteve ao serviço do F.C. Porto. Disputou 56 partidas oficiais, marcou 6 golos e conquistou 7 títulos.
Em Agosto de 2011 foi contratado pelos espanhóis do Club Atlético de Madrid que imediatamente o emprestaram ao Real Zaragoza. Um ano mais tarde, Rúben Micael estava de regresso a Portugal para ingressar no S.C. Braga, também por empréstimo dos calchoneros, mas acabou por ficar em definitivo no clube da cidade dos arcebispos onde conquistou a Taça da Liga da época de 2012/13. Em 2015 rumou à China para jogar no Shijiazhuang F.C.. Em 2016 viajou para Israel onde vestiu a camisola do Maccabi Tel Aviv F.C.. Em Janeiro de 2018 voltou a Portugal para defender o emblema do F.C. Paços de Ferreira. Em 2018/19 foi contratado pelo V. Setúbal. Na época de 2019/20 regressou ao C.D. Nacional da Madeira.
Rúben Micael representou também a Selecção Nacional por 16 vezes, tendo marcado 2 golos. Esteve presente no Campeonato da Europa de 2012.

Palmarés
1 Liga Europa
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
2 Taças de Portugal
2 Supertaças Cândido de Oliveira
1 Taça da Liga

10 de janeiro de 2021

André André

André Filipe Brás André nasceu no dia 26 de Agosto de 1989 em Vila do Conde.
Foi no ano de 1999 que começou a jogar futebol no Varzim S.C., esteve sete anos seguidos nas camadas jovens do clube poveiro mas em 2007 ingressou nos juniores sub-19 do Futebol Clube do Porto. Na época de 2008/09 e já como sénior, regressa ao Varzim S.C. onde permaneceu durante quatro temporadas, ajudou a conquistar o título de Campeão Nacional da 2ª Divisão em 2011/12 e ainda teve uma curta passagem por Espanha e pelo R.C. Deportivo Coruña. Em 2012/13 transferiu-se para o V. Guimarães e foi no emblema vimaranense que se destacou, às suas boas exibições ainda ganhou a Taça de Portugal, na primeira época ao serviço dos vitorianos e passou a ter os olheiros dos principais clubes nacionais atentos ao seu desempenho.
No início da temporada de 2015/16 foi contratado pelo F.C. Porto.
Foi precisamente o V. Guimarães que apadrinhou André André na sua estreia com a camisola dos Dragões no jogo da 1ª jornada do Campeonato Nacional de 2015/16, quando no Estádio do Dragão os portistas venceram os vimaranenses por 3-0.
André André pôde assim cumprir o sonho de jogar no F.C. Porto, tal como o seu pai António André. Esteve três épocas ao serviço dos Dragões e se nem sempre foi um dos titulares indiscutíveis, ainda contribuiu de forma direta para a conquista de vitórias importantes, como foi o caso contra o S.L. Benfica que os portistas venceram por 1-0 no Estádio do Dragão, na partida da 5ª jornada do Campeonato Nacional de 2015/16, com a particularidade de ter sido esse o primeiro golo que André André marcou de Dragão ao peito. Nove dias mais tarde voltou a marcar na vitória dos portistas sobre o Chelsea F.C. por 2-1 na partida da 2ª jornada do Grupo G da Liga dos Campeões.
André André nas três temporadas em que representou o F.C. Porto disputou 94 jogos oficiais, marcou 9 golos e sagrou-se Campeão Nacional em 2017/18.
Em 2018/17 regressou ao V. Guimarães.
André André é internacional por Portugal, vestiu por 4 vezes a camisola das Quinas e marcou 1 golo.

Palmarés
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato Nacional 2ª Divisão (Portugal)
1 Taça de Portugal