5 de julho de 2020

Afonso Silva

Afonso Silva foi um antigo dirigente do Futebol Clube do Porto.
Integrou as equipas directivas de Cesário Bonito nos dois mandatos de 1945/48 e depois em 1955/57 e mais tarde fez parte do Conselho Fiscal na presidência de Afonso Pinto de Magalhães entre 1967/72.
Quando se começou a discutir o local para a construção do Estádio das Antas, Afonso Silva mostrou-se apreensivo em relação ao lugar por ficar um pouco distante do Campo da Constituição, mas depressa mudou de ideias e passou a ser um dos mais efusivos adeptos da construção do novo estádio.
Afonso Silva fez também parte da Comissão que elaborou os Estatutos do F.C. Porto e foi administrador da Casa do Jogador, um local que alojava as crianças e jovens que ingressavam no F.C. Porto vindos de longe.
Afonso Silva foi um dirigente sempre disposto a servir o F.C. Porto mostrando sempre grandes qualidades nas diversas funções que desempenhou.

29 de junho de 2020

Bino

Manuel Albino Morim Maças, conhecido como Bino, nasceu no dia 19 de Dezembro de 1972 na Póvoa de Varzim.
Foi nas escolas do Varzim S.C. que começou a jogar futebol, isto quando decorria o ano de 1983. Aos 14 anos de idade entrou para os juniores b do Futebol Clube do Porto, onde prosseguiu a sua formação até ascender à categoria de sénior na época de 1990/91.
A sua estreia na equipa principal dos Dragões aconteceu no dia 30 de Março de 1991 no Estádio das Antas, onde os portistas receberam e venceram o S.C. Braga por 2-0. Bino substituiu Semedo aos 45 minutos, num jogo que contou para a 29Ç jornada do Campeonato Nacional de 1990/91.
Na temporada seguinte esteve emprestado ao Rio Ave F.C.
Em 1992/93 regressou ao plantel portistas e na primeira partida que foi utilizado pelo treinador Carlos Alberto Silva, (entrou aos 67 minutos a substituir António Carlos), marcou dois golos, aos 83 e 90 minutos respectivamente, e que possibilitaram a vitória dos Dragões por 3-0 contra o F.C. Famalicão, um jogo que foi disputado em Coimbra e que valeu para a 6ª jornada do Campeonato Nacional.
No final dessa época sagrou-se Campeão Nacional.
Na temporada de 1993/94 e depois em 1994/95 esteve emprestado, primeiro ao S.C. Salgueiros e depois ao C.F. Belenenses.
Em 1995/96 voltou ao F.C. Porto, treinado por Bobby Robson. Foi utilizado por 22 vezes, marcou 2 golos e no final da época repetiu o título de Campeão Nacional.
Na temporada seguinte começou por vencer a Supertaça Cândido de Oliveira e voltou a sagrar-se Campeão Nacional. No entanto a meio dessa época foi emprestado ao C.S. Marítimo onde se manteve até ao final da temporada seguinte, sendo contratado pelo S.C. Portugal.
Bino esteve quatro temporadas ao serviço do F.C. Porto. Disputou 35 jogos oficiais, marcou 4 golos e conquistou 4 títulos (3 Campeonatos Nacionais e 1 Supertaça Cândido de Oliveira).
Entre 1998/99 e 2000/01 representou o S.C. Portugal, tendo voltado a sagrar-se Campeão Nacional por uma veze a vencer uma Supertaça Cândido de Oliveira. Em 2001/02 rumou a Espanha para ingressar no C.D. Tenerife, onde se manteve durante duas épocas. Em 2003/04 regressou a Portugal e ao C.S. Marítimo. Em 2005/06 transferiu-se para o Moreirense F.C., jogou no emblema de Moreira de cónegos durante quatro anos e no final da temporada de 2008/09 decidiu colocar um ponto final na sua carreira de futebolista.
Bino foi internacional por Portugal e vestiu por 3 vezes a camisola da Selecção Nacional.
Em 2010/11 deu início a carreira de treinador na Associação Juvenil Escola de Futebol Hernâni Gonçalves. Passou pelos juniores do Padroense F.C. e em 2011/12 voltou ao F.C. Porto para orientar os jovens Dragões, onde se manteve durante sete anos. Em Dezembro de 2019 assumiu o comando técnico da equipa B do V. Guimarães.

Palmarés
4 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
2 Supertaças Cândido de Oliveira

22 de junho de 2020

Artur Alves

Artur Alves foi um futebolista que representou o Futebol Clube do Porto na década de trinta.
Natural do Funchal, ingressou nos portistas na temporada de 1934/35.
A sua estreia com a camisola azul e branca aconteceu no dia 27 de Dezembro de 1934 no Campo da Constituição, onde o F.C. Porto a jogar como equipa visitante, derrotou o Leixões S.C. por 8-0, numa partida que valeu para a 10ª jornada do Campeonato do Porto de 1934/35.
Quanto aos golos, estreou-se com um hat-trick, no jogo da 2ª jornada do Campeonato Nacional de 1934/35, quando no dia 27 de Janeiro os Dragões venceram a Académica de Coimbra por 7-1 no Campo da Constituição. Artur Alves apontou o terceiro golo do F.C. Porto aos 25 minutos, depois marcou o sexto aos 75 minutos e fechou a contagem aos 88 minutos de jogo.
Artur Alves representou o F.C. Porto apenas na temporada de 1934/35. Disputou 4 jogos oficiais e marcou 3 golos. Sagrou-se Campeão Nacional e Campeão Regional do Porto.
Artur Alves esteve ainda presente em jogos particulares contra clubes poderosos na época.
No dia 23 de Dezembro de 1934 o Ujpest F.C. (campeão da Hungria nesse ano), foi derrotado pelos portistas por 2-1, em jogo disputado no Campo do Ameal. No ano seguinte, no dia 27 de Abril, foram os austríacos do S.C. Wacken Wien a serem vergados perante os Dragões com uma derrota por 5-2.

Palmarés
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato do Porto

15 de junho de 2020

Maxi Pereira

Victorio Maximiliano Pereira Paéz (Maxi Pereira), nasceu no dia 8 de Junho de 1984 em Montevidéu, Uruguai.
Era ainda criança quando começou a jogar futebol no Defensor Sporting Club, tendo percorrido todos os escalões de formação do clube da sua terra natal até chegar a sénior no ano de 2002. Na equipa principal do emblema de Montevidéu, Maxi Pereira ainda jogou durante sete anos. No verão de 2007 transferiu-se para o S.L. Benfica onde permaneceu durante oito épocas, tendo conquistado por três vezes o título de Campeão Nacional, ganhou seis vezes a Taça da Liga, venceu por uma vez a Taça de Portugal e a Supertaça Cândido de Oliveira.
No início da época de 2015/16 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no Estádio do Dragão no dia 15 de Agosto de 2015 quando os portistas receberam e venceram o V. Guimarães por 3-0, com Maxi Pereira a fazer a assistência para todos os golos da partida que contou para a 1ª jornada do Campeonato Nacional de 2015/16.
O primeiro golo que marcou de Dragão ao peito foi no Estádio Municipal de Braga no jogo da 25ª jornada do Campeonato Nacional de 2015/16, quando os portistas visitaram o S.C. Braga com os minhotos a vencer por 3-1.
Maxi Pereira esteve ao serviço do F.C. Porto durante quatro épocas. Em 2017/18 sagrou-se Campeão Nacional e na temporada seguinte ganhou a Supertaça Cândido de Oliveira, contribuindo de forma direta para a conquista do troféu ao apontar o segundo golo da vitória do F.C. Porto sobre o C.D. Aves por 3-1.
Nos quatro anos em que representou os Dragões Maxi Pereira disputou 130 jogos oficiais, marcou 5 golos e conquistou 2 títulos.
Maxi Pereira foi internacional pelo Uruguai, tendo disputado 123 jogos oficiais com 3 golos marcados pela sua seleção. Esteve presente na Taça das Confederações de 2013, na Copa América de 2007, 2011, 2015 e 2016, em que o Uruguai venceu e ainda marcou presença no Campeonato do Mundo de 2010, 2014 e 2018.


Palmarés
1 Copa América
4 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Taça de Portugal
6 Taças da Liga de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira

8 de junho de 2020

Torcato Plácido

Torcato Plácido foi um antigo dirigente do Futebol Clube do Porto.
Fez parte de todas as direcções presididas por Cesário Bonito e também integrou a direcção liderada por Urgel Horta em 1952, quando aconteceu a inauguração do Estádio das Antas.
Torcato Plácido foi chefe da secção de basquetebol portista e delegado do F.C. Porto em várias Associações Regionais.
Foi ainda um dos principais responsáveis pela comissão Pró-Troféu F.C. Porto – Arsenal em 1949. Fez também parte da comissão Pró-Ringue de Patinagem, da comissão executiva Pró-Estádio das Antas e teve um papel preponderante na organização das Festas de Inauguração do Estádio.
Foi ainda presidente do Grupo “Os Portistas”, uma espécie de claque, onde era o responsável pela organização de caravanas de apoio sempre que alguma equipa do F.C. Porto, seja qual fosse a modalidade, se deslocava pelo país fora.
Tal como foi um dos principais responsáveis pelo Troféu F.C. Porto – Arsenal, teve igual papel na elaboração do “Bronze-Andebol”, um dos mais belos troféus do museu dos Dragões.

1 de junho de 2020

Quinzinho

Joaquim Alberto Silva, mais conhecido por Quinzinho, nasceu no dia 4 de Março de 1974 em Luanda, Angola.
Foi no ano de 1995 que começou a carreira de futebolista no Atlético Sport Aviação, um clube da sua terra natal.
No início de Janeiro de 1996 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A estreia com a camisola dos Dragões deu-se no dia 10 de Janeiro de 1996, no Estádio das Antas, onde os portistas receberam o C.F. União de Lamas no jogo da 5ª eliminatória da Taça de Portugal de temporada de 1995/96. A partida terminou empatada 0-0 tendo os azuis e brancos eliminado os unionistas, 15 dias mais tarde, ao vencer por 3-1.
O Primeiro golo que marcou de Dragão ao peito foi no jogo da 22ª jornada do Campeonato Nacional de 1995/96, quando o F.C. Porto recebeu e venceu por 6-2 o F.C. Felgueiras no Estádio das Antas. Quinzinho apontou o quarto golo dos portistas aos 70 minutos de jogo.
Nessa temporada ainda marcou mais um golo e no final do campeonato nacional sagrou-se Campeão.
Na época de 1996/97 foi emprestado ao U.D. Leiria, onde disputou 18 jogos e marcou 3 golos. Seguiu-se novo empréstimo mas ao Rio Ave F.C. na temporada seguinte, tendo marcado 8 golos em 25 partidas.
Em 1998/99 voltou ao F.C. Porto que era comandado na altura pelo treinador Fernando Santos. Nessa época foi utilizado por 13 vezes, marcou 6 golos e voltou a sagrar-se Campeão Nacional no que foi a conquista do Penta-Campeonato para os Dragões.
Quinzinho representou o F.C. Porto em 2 temporadas. Disputou 24 jogos oficiais, marcou 8 golos e conquistou 2 títulos de Campeão Nacional.
Na temporada seguinte rumou a Espanha onde, ainda por empréstimo dos portistas, teve uma breve passagem pelo Rayo Vallecano de Madrid. Nessa mesma época regressou a Portugal para ser emprestado ao S.C. Farense. Em 2000/01 esteve no C.D. Aves, de novo cedido. Na época que se seguiu foi contratado pelo F.C. Alverca. Passou depois pelo G.D. Estoril Praia. Em 2003 viajou para a China onde representou o Zhejiang Greentown F.C., Xiamen Lanshi e Pudong Zobon F.C.. Em 2010 voltou a Angola para jogar no C.R. Caála e no ano seguinte regressou ao seu primeiro clube, o Atlético Sport Aviação onde terminou a sua carreira de futebolista nesse ano de 2011.
Quinzinho foi também internacional pela Selecção de Angola. Disputou 36 jogos oficiais e marcou 7 golos. Esteve presente no Campeonato das Nações Africanas em 1996 e em 1998.
Na temporada de 2015/16 deu inicio à sua carreira de treinador ao assumir o cargo de treinador adjunto no U.D. Vilafranquense. Em 2017 e já em Angola, esteve também como treinador adjunto, no C.R.D. Libolo.
Faleceu no dia 15 de Abril de 2019, vítima de um ataque cardíaco.

Palmarés
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)

25 de maio de 2020

Álvaro Vasconcelos

Álvaro Madureira Vasconcelos foi um futebolista que representou o Futebol Clube do Porto na década de 40.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 16 de Abril de 1944 no Estádio do Lima, onde os portistas receberam e venceram o Sporting C.P. por 2-0, numa partida a contar para a 1ª mão dos quartos-de-final da Taça de Portugal da temporada de 1943/44. O F.C. Porto eliminou os sportinguistas depois de um empate 3-3 oito dias mais tarde no Campo do Lumiar em Lisboa, mas acabou afastado da prova na eliminatória seguinte pelo G.D. Estoril Praia.
Ainda nessa época de 1943/44, Álvaro Vasconcelos participou ainda em mais dois jogos, todos a contar para a Taça de Portugal.
Na temporada seguinte foi utilizado em cinco partidas do Campeonato Nacional. Apesar de pouco jogar nas partidas oficiais, Álvaro Vasconcelos esteve presente no jogo particular que os azuis e brancos realizaram com o Real Madrid F.C. no dia 3 de Junho no Estádio do Lima e que venceram por 3-0.
Na época de 1945/46 apenas disputou 1 jogo. Foi na 17ª jornada do Campeonato Nacional, no Estádio Padinha em Olhão, com o resultado 3-1 a favor da equipa da casa. Esse acabou por ser a última vez que vestiu a camisola do F.C. Porto.
Álvaro Vasconcelos esteve três temporadas ao serviço dos Dragões, tendo disputado 9 partidas oficiais.
Apesar de nessas três temporadas o F.C. Porto ter conquistado o Campeonato do Porto, Álvaro Vasconcelos não foi utilizado em nenhum jogo dessa competição.

18 de maio de 2020

Brahimi

Yacine Nasr Eddine Brahimi nasceu no dia 8 de Fevereiro de 1990 em Paris, França.
De nacionalidade argelina, Brahimi começou por jogar futebol em pequenos clubes da região de Ilha de França em Paris. Onde tudo começou foi no A.S.B. Montreuil, depois passou para o Club Olympique Vincennois e pouco tempo depois ingressou no Stade Rennes F.C. onde completou a sua formação de futebolista e passou a sénior no final da temporada de 2008/09. Na época seguinte foi emprestado ao Clermont Foot Auvergne 63 da segunda divisão francesa. Em 2010/11 regressou ao Stade Rennes F.C. onde permaneceu durante duas temporadas até ser de novo emprestado aos espanhóis do Granada C.F. em 2012/13, que compraram o seu passe no final dessa mesma época.
Já no clube francês da cidade de Rennes, Brahimi começou a despertar a cobiça dos principais clubes europeus, o que aumentou ainda mais depois das suas prestações no emblema espanhol, sendo mesmo considerado o melhor jogador africano do campeonato espanhol da temporada de 2013/14.
No início da época de 2014/15 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
O primeiro jogo em que vestiu a camisola dos Dragões aconteceu no dia 15 de Agosto de 2014 no Estádio do Dragão onde os portistas receberam e venceram o C.S. Marítimo por 2-0, num jogo que valeu para a 1ª jornada do Campeonato Nacional de 2014/15.
11 Dias depois e no seu quarto jogo de Dragão ao peito, Brahimi marcou o seu primeiro golo. Foi também no Estádio do Dragão, na vitória contra os franceses do Lille O.S.C. por 2-0 com o argelino a inaugurar o marcador aos 49 minutos, numa partida que contou para a 2ª mão do Play-Off da Liga dos Campeões de 2014/15.
Brahimi esteve cinco épocas ao serviço do F.C. Porto. Foi sempre um dos jogadores mais influentes do plantel, sendo ao mesmo tempo um dos mais tecnicistas, daqueles jogadores de quem se espera a qualquer momento uma jogada genial para golo.
Na temporada de 2017/18 sagrou-se Campeão Nacional e venceu a Supertaça Cândido de Oliveira na época seguinte.
Nos cinco anos que defendeu o F.C. Porto, foi utilizado por 215 vezes, marcou 54 golos e conquistou 2 títulos.
Brahimi é internacional pela Argélia. Apesar de ter representado a Selecção de França em todos os escalões de formação, em 2013 decidiu defender a equipa nacional argelina. Esteve presente na CAN em 2015, 2017 e 2019 e também no Campeonato do Mundo de 2014, tendo vestido a camisola da Argélia por 49 vezes e marcado 12 golos.

Palmarés
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Supertaça Cândido de Oliveira

11 de maio de 2020

Bento José Correia

Bento José Correia nasceu no dia 3 de Fevereiro de 1887 em Vila Verde.
Desde bastante novo que passou a viver na cidade do Porto e se apaixonou pelo F.C. Porto.
Em 1928 integrou a direcção presidida por Sebastião Ferreira Mendes e integrou os Corpos Sociais dos Dragões tendo-se mantido durante dez anos nesse cargo.
Foi através de Bento José Correia que os jogadores: Pinga, Valdemar Mota e Álvaro Pereira passaram a vestir de azul e branco.
Bento José Correia foi também o principal responsável por o F.C. Porto ser declarado instituição de Utilidade Publica por Decreto do dia 13 de Março de 1928.
Para além da sua ligação ao F.C. Porto, Bento José Correia teve passagens por outras instituições da cidade Invicta, como: S.C. Salgueiros, Sport Progresso, Clube Fenianos Portuenses, Sociedade Protectora dos Animais e Clube de Caçadores do Porto.
Foi ainda Gerente Comercial na “British Co-operative Stores”, situada na Rua do Infante D. Henrique no Porto.

4 de maio de 2020

Francisco Ferreira

Francisco Ferreira nasceu no dia 23 de Agosto de 1919 na cidade de Guimarães.
Foi no Campo da Constituição, onde o seu pai era o guarda do campo, que começou a jogar futebol. Começou como uma brincadeira de criança, mas depressa passou a ser algo mais sério e ingressou nas escolas do clube azul e branco onde percorreu todos os escalões de formação até ascender a sénior no final da temporada de 1935/36.
A sua estreia com a camisola principal do F.C. Porto aconteceu no dia 11 de Outubro de 1936, precisamente no Campo da Constituição, onde os portistas receberam e venceram o Boavista F.C. por 2-1, numa partida que contou para a 1ª jornada do Campeonato do Porto.
Na época em que vestiu pela primeira vez a camisola principal do F.C. Porto, Francisco Ferreira começou por ajudar a conquistar o Campeonato do Porto, onde disputou quatro jogos, e terminou a temporada com a vitória no Campeonato de Portugal, tendo sido utilizado sete vezes pelo treinador François Gutkas.
Na época seguinte voltou a sagrar-se Campeão do Porto, o que foi o seu último título com a camisola azul e branca.
Francisco Ferreira, como sénior, esteve duas temporadas ao serviço dos Dragões, conquistou 3 títulos e formou com Carlos Pereira e Pocas um trio de meio-campo de grande qualidade que ficou conhecido como: “Linha Maginot”.
No final da temporada de 1937/38, Francisco Ferreira desentendeu-se com os dirigentes portistas. Queria 300 escudos de ordenado, o que lhe foi prontamente negado. Dias depois encontrou-se com um responsável do S.L. Benfica que aceitou pagar o que ele tinha pedido ao F.C. Porto e assim rumou a Lisboa onde jogou pelos encarnados durante 14 temporadas, tendo conquistado 4 Campeonatos Nacionais, 6 Taças de Portugal e 1 Campeonato de Lisboa.
Francisco Ferreira foi internacional por Portugal. Vestiu a camisola das Quinas por 25 vezes.
Francisco Ferreira esteve presente no jogo de homenagem e despedida ao portista Artur de Sousa Pinga, seu antigo companheiro no F.C. Porto. A partida teve lugar no Estádio do Lima no dia 7 de Julho de 1946.
Faleceu no dia 14 de Fevereiro de 1986.

Palmarés
4 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
6 Taças de Portugal
1 Campeonato de Portugal
1 Campeonato do Porto
1 Campeonato de Lisboa

27 de abril de 2020

Tello

Cristian Tello Herrera nasceu no dia 11 de Agosto de 1991 em Sabadell, Espanha.
Aos oito anos de idade começou a jogar futebol no C.F.U. Can Rull, mas pouco tempo depois entrou para as escolas de formação do F.C. Barcelona. Em 2007 e ainda júnior é emprestado ao C.F. Damm. No ano seguinte e depois de ter terminado o seu contrato com o clube Culé, ingressou no R.C.D. Espanyol onde jogou mais duas épocas como júnior e passou a sénior em 2009/10. Na temporada seguinte regressou ao F.C. Barcelona onde começou por integrar a equipa b, mas na época de 2011/12 já fez parte do plantel principal. Tello esteve três temporadas ao serviço dos blaugranas onde foi um dos jogadores mais utilizados, tendo conquistado a Taça de Espanha de 2011/12, o título do Campeão de Espanha em 2012/13 e a Supertaça de Espanha de 2013.
No início da temporada de 2014/15 ingressou no Futebol Clube do Porto por empréstimo do F.C. Barcelona.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 15 de Agosto de 2014, no Estádio do Dragão, quando os azuis e brancos receberam e venceram o C.S. Marítimo por 2-0, numa partida a contar para a 1ª jornada do Campeonato Nacional de 2014/15.
O seu primeiro golo com a camisola do F.C. Porto aconteceu no jogo da 5ª jornada do Grupo H da Liga dos Campeões de 2014/15, quando na deslocação dos Dragões ao terreno do F.K. Borisov venceram a equipa local por 3-0 e Cristian Tello apontou o terceiro golo do jogo aos 89 minutos.
Tello esteve durante uma temporada e meia ao serviço do F.C. Porto, tendo disputado 57 jogos oficiais e marcado 10 golo, três deles na vitória dos Dragões sobre o Sporting C.P. por 3-0 no jogo da 23ª jornada do Campeonato Nacional de 2014/15.
Em Janeiro de 2016 o F.C. Barcelona e o A.C. Fiorentina acertaram a sua transferência para o futebol italiano. No clube Viola, Tello jogou até ao final da época de 2016/17. Na temporada seguinte voltou a Espanha para ingressar no Real Betis de Sevilha, clube onde joga atualmente.
Cristian Tello é internacional por Espanha e já vestiu a camisola da sua Selecção por várias vezes. Esteve presente nos Jogos Olímpicos de 2012 onde disputou três jogos.

Palmarés
1 Campeonato de Espanha
1 Taça de Espanha
1 Supertaça de Espanha

20 de abril de 2020

Kiki

Alcides Rodrigues Tavares (Kiki), nasceu no dia 28 de Outubro de 1961 na cidade da Praia, capital de Cabo Verde.
Começou a jogar futebol num pequeno clube de bairro, o Paiolense. Com 16 anos foi jogar no Académica da Praia onde no ano seguinte passou a sénior e estreou-se ao serviço da selecção principal de Cabo Verde, isto quando contava com apenas 17 anos de idade. Mais tarde mudou-se para o Sporting Clube da Praia. Em 1981 chega a Portugal para representar o V. Guimarães, com influência de José Maria Pedroto, treinador dos vimaranenses nesse ano, que o indicou a um dirigente vitoriano e assim Kiki esteve durante duas épocas e meia na “Cidade Berço”. Em 1984/85 ruma a Chaves e veste a camisola dos flavienses por três temporadas, para de seguida se transferir para o S.C. Braga onde se manteve em 1987/88 e 1988/89.
No início da temporada de 1989/90 é contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 26 de Agosto de 1989 no Estádio Vieira de Carvalho, Na Maia, onde os portistas a jogarem como visitante derrotaram o F.C. Penafiel por 2-0, numa partida que contou para a 2ª jornada do Campeonato Nacional de 1989/90.
Foi uma bela primeira temporada para Kiki que disputou 15 jogos oficiais e se sagrou Campeão Nacional.
A época de 1990/91 começa com a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira e termina com a vitória na Taça de Portugal. Pelo meio Kiki ainda marcou o seu único golo de Dragão ao peito que aconteceu no jogo da 6ª jornada do Campeonato Nacional quando o F.C. Porto visitou a Ilha da Madeira e no Estádio dos Barreiros venceu o C.F. União por 3-1, com Kiki a inaugurar o marcador aos 14 minutos.
Na temporada de 1991/92 Kiki voltou a sagrar-se Campeão Nacional, tendo sido utilizado por 9 vezes, nessa sua última época de azul e branco.
Kiki esteve três temporadas ao serviço do F.C. Porto. Disputou 53 jogos oficiais, marcou 1 golo e conquistou 4 Títulos.
Em 1992/93 regressou ao S.C. Braga e na época seguinte foi contratado pelo F.C. Paços de Ferreira onde terminou a sua carreira de futebolista.
Kiki foi internacional por Cabo Verde e vestiu por várias vezes a camisola da Selecção.
De regresso a Cabo Verde e depois de alguns anos afastado do mundo do futebol, Kiki assumiu o cargo de Presidente do Associação Académica da Praia, lugar que ocupou durante praticamente três anos, tendo levado o clube à conquista de um Campeonato de Cabo Verde, uma Super Taça de Cabo Verde, um campeonato regional de Santiago Sul e uma Taça Praia.

Palmarés
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Taça de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira

13 de abril de 2020

António Vaz

António Lopes Vaz nasceu no dia 11 de Setembro de 1945 em Penalva do Castelo.
Foi no clube da sua terra natal, o S.C. Penalva do Castelo que começou a jogar futebol, passando a sénior na época de 1964/65. Como profissional jogou no clube de Viseu durante três temporadas.
No início da época de 1967/68 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia na defesa da baliza dos Dragões aconteceu no dia 17 de Março de 1968 quando os portistas receberam e venceram o S.C. Covilhã por 5-0, num jogo que contou para a 1ª mão dos oitavos de final da Taça de Portugal de 1967/68.
António Vaz foi também o dono da baliza no jogo da 2ª mão em que os azuis e brancos voltaram a ganhar mas por 4-0, no campo José Santos Pinto, na Covilhã.
No final da temporada os portistas conquistaram a Taça de Portugal ao derrotar na final o V. Setúbal por 2-1 e assim António Vaz conquistou o seu primeiro título da carreira.
Na temporada seguinte não disputou nenhuma partida oficial. Já em 1969/70 dividiu a titularidade com Rui e foi utilizado por 11 vezes (10 a contar para o Campeonato Nacional e 1 para a Taça de Portugal).
No final dessa época deixou os Dragões.
António Vaz enquanto esteve ao serviço do F.C. Porto disputou 13 jogos oficiais e conquistou 1 título.
Em 1970/71 ingressou no V. Setúbal, onde permaneceu durante 8 temporadas. Em 1978/79 jogou no Académico de Viseu F.C.. Em 1979/80 transferiu-se para o Sporting C.P. onde conquistou o título de Campeão Nacional em 1979/80. Em 1981/82 rumou ao Amora F.C. onde terminou a sua carreira de futebolista no final dessa mesma época.

Palmarés
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Taça de Portugal

6 de abril de 2020

Szabo Júnior

José Szabo Júnior nasceu no dia 16 de Outubro de 1926 em Viena na Áustria.
O seu pai, Joseph Szabo, foi jogador e treinador do Futebol Clube do Porto e em ambas as funções sagrou-se Campeão Nacional.
Foi precisamente nos Dragões que Szabo júnior começou a sua carreira de futebolista, actuando como guarda-redes, ainda com 19 anos de idade.
A sua estreia com a camisola azul e branca aconteceu no dia 23 de Setembro de 1945 no Campo da Constituição, onde os portistas receberam o Boavista F.C. que foi mais feliz e venceu por 4-0, uma partida que contou para a jornada inaugural do Campeonato do Porto da época de 1945/46.
Apesar da derrota no jogo da 1ª jornada, o F.C. Porto acabou por sagrar-se Campeão do Porto e assim Szabo Júnior conquistava também o seu primeiro título ao serviço dos Dragões.
Participou em quatro partidas do Campeonato Nacional de 1945/46.
Nessa temporada, que foi a única em que representou o F.C. Porto, Szabo Júnior foi utilizado em 5 partidas oficiais e conquistou 1 título.
Na época seguinte rumou a Académica de Coimbra. Em 1947/48 transferiu-se para o S.C. Olhanense onde jogou apenas sete vezes.
Szabo Júnior era uma promessa mas o destino pregou-lhe uma partida. Sofreu um atropelamento que lhe acabou com a carreira.

Palmarés
1 Campeonato do Porto

30 de março de 2020

Vitorino

Vitorino foi um futebolista que passou pelo Futebol Clube do Porto entre o final da década de trinta e início de quarenta do século passado.
Foi no dia 1 de Dezembro de 1937 que vestiu pela primeira vez a camisola dos Dragões, quando no Campo do Bessa o F.C. Porto visitou e venceu o Boavista F.C. Por 7-1, numa partida que valeu para a 6ª jornada do Campeonato Regional do Porto da temporada de 1937/38.
Nessa época, Vitorino ajudou o F.C. Porto a conquistar o 20º título de Campeão Regional do Porto consecutivo, com os portistas a vencerem os dez jogos que faziam parte do campeonato e com um saldo de 62 golos marcados e apenas 5 sofridos.
Na temporada de 1938/39, Vitorino não disputou nenhum jogo, voltou na temporada seguinte mas realizou apenas dois jogos oficiais que contaram para o Campeonato do Porto, um campeonato que os portistas não venceram. Venceram sim o Campeonato Nacional, no entanto Vitorino não participou na campanha triunfal.
Vitorino esteve ao serviço do F.C. Porto durante duas temporadas. Disputou 7 jogos oficiais e conquistou 1 título. Foi o bastante para deixar o seu nome gravado no livro dos Campeões da história do F.C. Porto.

Palmarés
1 Campeonato do Porto

23 de março de 2020

Miguel Mesquita

Miguel Mesquita foi um antigo dirigente do Futebol Clube do Porto.
Começou por praticar desporto no clube azul e branco mas foi mais tarde, já como membro da direção, que se destacou. Esteve sempre ligado ao futebol mas também às modalidades amadoras, às quais empregou grande parte do seu trabalho que foi na época reconhecido de grande valia e competência.
Sempre com uma voz activa em defesa das várias modalidades que faziam parte do clube, Manuel Mesquita que era um sócio respeitado e conhecedor do estado do F.C. Porto, procurava ser objectivo, dinâmico e frontal nos problemas que eram apresentados nas assembleias-gerais.
Mais tarde ainda assumiu cargos na Associação de Futebol do Porto e na Federação Portuguesa de Futebol.
Miguel Mesquita deixou ainda descendentes seus ligados aos Dragões, no caso dos seus dois filhos, Acácio Mesquita e Carlos Mesquita e ainda o seu sobrinho, Jerónimo Faria.

16 de março de 2020

Júlio

Júlio Carlos da Costa Augusto nasceu no dia 26 de Março de 1953 no Porto.
Foi no Ramaldense F.C. que começou a jogar futebol. As boas exibições e principalmente os golos que ia marcando começaram a ser motivo de atenção dos responsáveis dos principais clubes da cidade do Porto e não só e assim foi sem surpresa que em 1971 ingressou nos juniores do Futebol Clube do Porto, vencendo logo nesse ano o Campeonato Nacional de Juniores.
Na temporada de 1971/72 integrou o plantel principal dos Dragões.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 7 de Maio de 1972 no Estádio Alfredo da Silva, no Barreiro, onde os portistas perderam 1-0 com o G.D. CUF, num jogo que contou para a 27ª jornada do Campeonato Nacional de 1971/72. Júlio entrou aos 84 minutos a substituir Lemos.
Nessa temporada apenas disputou três partidas, todas a contar para o campeonato.
O primeiro golo que marcou de Dragão ao peito apareceu apenas na temporada de 1973/74. Foi no jogo da 21ª jornada do campeonato nacional, quando no Estádio Mário Duarte o F.C. Porto venceu por 2-1 o S.C. Beira-Mar. Júlio saiu do banco aos 75 minutos a substituir Marco Aurélio e aos 82 minutos apontou o segundo golo dos azuis e brancos.
Júlio manteve-se nas Antas até a época de 1976/77 e no final dessa temporada conquistou a Taça de Portugal.
No ano seguinte rumou ao Varzim S.C. onde disputou 27 jogos e marcou 13 golos.
Em 1978/79 transferiu-se para o Boavista F.C. e logo nessa época voltou a conquistar a Taça de Portugal. Na final contra o Sporting C.P., foi ele que marcou o golo que ditou o empate 1-1 no final do jogo e assim foi necessário disputar a finalíssima e mais uma vez foi Júlio o homem do jogo ao marcar o golo da vitória dos axadrezados.
Na temporada seguinte e ainda ao serviço dos boavisteiros, Júlio começou a época a vencer a Supertaça Cândido de Oliveira. Foi ele o autor dos dois golos com que o Boavista F.C. venceu o F.C. Porto no Estádio das Antas por 2-1.
Foram três épocas a representar o clube do Bessa e onde Júlio voltou a mostrar ser um goleador. Nos 96 jogos disputados marcou 46 golos.
Em 1981/82 Júlio regressou ao F.C. Porto mas nunca foi primeira opção e nos 16 jogos em que foi utilizado, só por três vezes conseguiu marcar. Valeu a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira.
Na época seguinte foram só seis as vezes que vestiu a camisola azul e branca, com três golos apontados.
Foi no dia 8 de Dezembro de 1982, no Estádio Municipal de Coimbra, no jogo relativo aos 32 anos-de-final da Taça de Portugal de 1982/83 contra o C.F. União de Coimbra que jogou de Dragão ao peito pela última vez. Os portistas venceram por 4-0 e foi ele o autor do último golo.
Júlio esteve durante oito temporadas ao serviço do F.C. Porto. Disputou 76 jogos oficiais, marcou 18 golos e conquistou 2 títulos (1 Taça de Portugal e 1 Supertaça Cândido de Oliveira).
Em 1983/84 ingressou no V. Guimarães. Na época seguinte transferiu-se para o Portimonense S.C.. Em 1985/86 vestiu a camisola do S.C. Salgueiros e foi no clube de Paranhos que terminou a sua carreira de futebolista.

Palmarés
2 Taças de Portugal
2 Supertaças Cândido de Oliveira

9 de março de 2020

Manuel Leite

Manuel Silva Leite foi um futebolista que jogou no futebol Clube do Porto na década de 40.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 23 de Setembro de 1945 no Campo da Constituição onde os portistas receberam o Boavista F.C. no jogo da jornada inaugural do Campeonato do Porto da temporada de 1945/46. Os azuis e brancos acabaram derrotados por 4-0 mas ainda assim conquistaram o Título de Campeão Regional com quatro pontos de vantagem para os homens do Bessa.
Leite foi utilizado em mais uma partida do Campeonato do Porto e fez também dois jogos no Campeonato Nacional.
Na época seguinte Leite voltou a repetir a vitória no Campeonato do Porto, o que foi a ultima edição do Campeonato Regional. Desta vez o Título foi conquistado sem os portistas conhecerem o sabor amargo da derrota pois obtiveram oito vitórias e cederam apenas dois empates.
Leite representou o F.C. Porto durante duas temporadas. Apesar de ter disputado apenas 5 partidas oficiais, deixou o seu nome na história do clube como um dos futebolistas Campeões do emblema azul e branco.

Palmarés
2 Campeonatos do Porto

2 de março de 2020

Raul Castro

Raul Augusto de Castro nasceu no dia 20 de Maio de 1908.
Foi no Futebol Clube do Porto que começou a jogar futebol de primeira categoria.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 26 de Outubro de 1930 no Campo do Ameal, onde os portistas receberam e venceram o S.C. Salgueiros por 3-2, num jogo a contar para a 1ª jornada do Campeonato do Porto de 1930/31.
No que diz respeito aos golos, a primeira vez que marcou foi na 3ª jornada desse mesmo campeonato, na recepção ao Leixões S.C. que perdeu por 6-0 no Estádio do Lima. Raul Castro apontou o segundo e sexto golo dos azuis e brancos.
Raul Castro, que era sobrinho de Francisco Castro, esteve ao serviço do F.C. Porto durante 7 temporadas, onde disputou 81 jogos oficiais, marcou 22 golos e conquistou 9 títulos.

Palmarés
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
2 Campeonatos de Portugal
6 Campeonatos do Porto

24 de fevereiro de 2020

Troféu Barco Rabelo


Na temporada de 1955/56, o Futebol Clube do Porto sagra-se Campeão Nacional e vence a Taça de Portugal conquistando assim a primeira “dobradinha” da sua história.
Para imortalizar esse feito, a Associação de Futebol do Porto ofereceu um belo troféu, que é uma réplica de um barco rabelo, numa forma de homenagear a equipa que foi comandada pelo técnico brasileiro Dorival Yustrich e que contava no plantel com os guarda-redes Pinho e Acúrcio; os defesas José Valle, Ângelo Sarmento, Miguel Arcanjo, Osvaldo Cambalacho e Virgílio Mendes; os médios Correia, Gastão, Monteiro da Costa, José Maria Pedroto, Morais e António Eleutério e os avançados José Maria, Albano Sarmento, Jaburú, Fernando Perdigão, António Teixeira, Carlos Duarte e Hernâni Silva.
O formato do troféu é também uma homenagem a um símbolo da cidade do Porto. O barco rabelo, uma embarcação típica do Rio Douro e que durante séculos serviu para transportar as pipas do vinho do Porto desde o Alto Douro até às caves em Vila Nova de Gaia e no Porto onde era armazenado e mais tarde comercializado.

10 de fevereiro de 2020

Hilário

Henrique Hilário Meireles Alves Sampaio nasceu no dia 21 de Outubro de 1975 em São Pedro da Cova – Gondomar.
Foi no ano de 1987 que deu entrada nas escolas do Futebol Clube do Porto e depois de ter passado pelos vários escalões de formação do clube azul e branco chegou à categoria de sénior no final da época de 1993/94. Na temporada seguinte foi emprestado ao Associação Naval 1º de Maio, onde disputou 27 partidas oficiais, na época de 1995/96 foi de novo emprestado mas à Associação Académica de Coimbra, tendo defendido a baliza dos estudantes em 33 jogos oficiais.
Em 1996/97 integrou o plantel principal do F.C. Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 12 de Outubro de 1996 no Estádio José Alvalade em Lisboa, onde os portistas visitaram e venceram o Sporting C.P. por 1-0, golo de Edmilson, numa partida a contar para a 6ª jornada do Campeonato Nacional de 1996/97.
Hilário teve um início de carreira empolgante no F.C. Porto, pois não sofreu qualquer golo nos sete primeiros jogos que disputou e das 26 partidas oficiais que jogou nessa época de 1996/97, manteve por 14 vezes a baliza inviolável, o que foi um grande contributo para que no final da temporada se sagrar Campeão Nacional, depois de já ter vencido a Supertaça Cândido de Oliveira.
Em 1997/98 apenas jogou quatro partidas, três para o Campeonato Nacional e uma a contar para a Taça de Portugal, troféu que conquistou juntamente com mais um Campeonato Nacional.
Na época seguinte foi mais uma vez emprestado, desta vez ao C.F. Estrela da Amadora, onde foi utilizado por 27 vezes pelo treinador Jorge Jesus.
Em 1999/2000 regressou ao F.C. Porto, dividiu a baliza dos Dragões com Vítor Baía e repetiu a vitória na Taça de Portugal e também na Supertaça Cândido de Oliveira.
Em 2000/01 não realizou nenhum jogo e na temporada seguinte rumou ao Varzim S.C. mais uma vez por empréstimo.
No final da época de 2001/02 deixou em definitivo o F.C. Porto. Nos Dragões Hilário jogou durante três temporadas onde teve altos e baixos, disputou 59 partidas oficiais e conquistou 6 títulos.
Em 2002/03 foi contratado pela Académica de Coimbra que assim voltou a contar com os seus serviços durante uma época já que se transferiu para o C.D. Nacional da Madeira onde jogou durante três temporadas. Em 2006/07 rumou a Inglaterra para se juntar a José Mourinho no Chelsea F.C., no clube londrino Hilário esteve durante oito temporadas e conquistou 1 Liga Europa, 1 campeonato inglês, 4 Taças de Inglaterra, 1 Supertaça de Inglaterra e 1 Taça da Liga de Inglaterra.
No final da época de 2013/14 colocou um ponto final na sua carreira de futebolista. Continuou ligado ao Chelsea F.C., primeiro a desempenhar a função de Observador e mais tarde assumiu a função de treinador de guarda-redes.

Palmarés
1 Liga Europa
2 Campeonatos Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato de Inglaterra
2 Taças de Portugal
4 Taças de Inglaterra
2 Supertaças Cândido de Oliveira
1 Supertaça de Inglaterra
1 Taça da Liga de Inglaterra

3 de fevereiro de 2020

Bife

José da Silva Oliveira (Bife), nasceu no dia 28 de Setembro de 1949 em Vera Cruz, município do estado de Rio Grande do Sul no Brasil.
Foi no pequeno clube, Aquidaunanense F.C. que começou a jogar futebol e foi também por essa altura, quando tinha uns 13 anos, que ficou com a alcunha de “Bife”. A sua mãe trabalhava numa cantina que preparava a comida para um quartel. A entrega era feita pelo tio numa carrinha e Bife acompanhava para assegurar que as marmitas chegassem em condições ao destino, mas um dia a fome apertou, abriu uma e viu um bife em cima do arroz e não conseguiu resistir e acabou por fazer o mesmo a mais 15 marmitas. Logicamente que acabou mais tarde por ser descoberto mas nunca mais se livrou da alcunha.
Em 1971, quando tinha 19 anos, mudou-se para o Operário F.C.. Depois de quatro anos a defender o emblema do clube de Mato Grosso, Bife transferiu-se para o E.C. Comercial. Em 1976 nova mudança para se juntar ao Mixto E.C.. No ano seguinte rumou ao Nacional F.C. mas regressou a Mato Grosso e ao Mixto E.C. para voltar a trocar de clube e ingressar no E.C. São Bento no ano de 1979.
Em Janeiro de 1980 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 27 de Janeiro de 1980 no Estádio Municipal de Portimão, onde os portistas derrotaram o Portimonense S.C. por 4-0, numa partida que contou para a 17ª jornada do Campeonato Nacional da temporada de 1979/80. Bife entrou aos 58 minutos para substituir António Sousa.
O primeiro golo que marcou de Dragão ao peito aconteceu no jogo da 23ª jornada, no Estádio das Antas onde os portistas receberam e venceram o V. Guimarães por 4-0. Bife inaugurou o marcador aos 18 minutos de jogo.
Até ao final da época ainda disputou mais oito partidas, tendo marcado mais dois golos. No final dessa temporada de 1979/80 deixou o F.C. Porto.
Bife enquanto esteve ao serviço dos Dragões, disputou 12 jogos oficiais e marcou 3 golos.
Ainda em 1980 regressou ao Brasil e ao Mixto E.C.. Em 1982 voltou a Portugal para jogar no C.F. Belenenses mas regressou novamente ao Brasil nesse mesmo ano para jogar de novo no Operário F.C., onde permaneceu durante três anos, com uma breve passagem pelo Brasilia F.C. pelo meio. Em 1984 transferiu-se para o União E.C. e foi nesse clube de Rondonópolis que Bife terminou a sua carreira de futebolista.
Bife faleceu no dia 16 de Fevereiro de 2007.

27 de janeiro de 2020

Acácio

Acácio António Duarte Carneiro nasceu no dia 30 de Setembro de 1944 no Porto.
Acácio começou por jogar futebol nos juniores do Futebol Clube do Porto e no final da temporada de 1962/63 passou a sénior. Esteve na época seguinte no plantel portista mas acabou por não ser utilizado pelo treinador Janos Kalmar, nem pelo seu sucessor o brasileiro Otto Glória. Em 1964/65, Acácio ruma a Santa Maria da Feira para jogar no C.D. Feirense. Na temporada seguinte ingressou no F.C. Tirsense, tendo defendido o emblema de Santo Tirso durante três anos.
No início da época de 1968/69 regressa ao F.C. Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 18 de Setembro de 1968 no Estádio Ninian Park, no País de Gales onde os portistas defrontaram e empataram com o Cardiff City F.C. a 2-2, numa partida que contou para a 1ª mão da 1ª eliminatória da Taça dos Clubes Vencedores das Taças de 1968/69. No jogo da 2ª mão, quinze dias mais tarde, os portistas carimbaram a passagem à eliminatória seguinte depois de uma vitória por 2-1 no Estádio das Antas.
Nessa temporada de 1968/69, Acácio disputou 8 jogos oficiais, sendo 5 a contar para o Campeonato Nacional, 2 nas competições europeias e 1 na Taça de Portugal.
Na época seguinte, Acácio disputou o mesmo número de jogos oficiais; 6 para o Campeonato Nacional, 1 nas provas europeias e 1 na Taça de Portugal.
Acácio esteve duas temporadas ao serviço do F.C. Porto, tendo disputado 16 jogos oficiais. Apesar de não ter conseguido conquistar nenhum título teve alguns bons motivos para recordar na sua passagem pelo F.C. Porto, como aconteceu no dia 25 de Janeiro de 1970 quando os Dragões viajaram até ao Brasil para participarem no jogo inaugural do novo Estádio do São Paulo F.C., o Estádio Cícero Pompeu de Toledo. O jogo terminou com um empate 1-1 mas foi o portista Vieira Nunes a marcar o primeiro golo de sempre naquele recinto.
Na temporada de 1970/71, Acácio foi contratado pelo Varzim S.C.. Na época seguinte rumou ao G.D. Chaves. Em 1972/73 passou a vestir a camisola do S.C. Espinho e depois de três temporadas a jogar nos tigres da costa verde colocou um ponto final na sua carreira de futebolista.

20 de janeiro de 2020

Carlos Lello

Carlos Lello foi um dos mais ilustres sócios e dirigentes do Futebol Clube do Porto.
Ainda nos primeiros anos de vida do clube da Invicta, Carlos Lello, jornalista amador, começou por usar a escrita como forma de defender o F.C. Porto.
Em Abril de 1918 fundou e foi director do jornal ”Porto Sportivo”, o que foi o primeiro órgão ligado ao clube azul e branco.
Nas assembleias-gerais sempre fazia impor a sua voz nos assuntos de maior importância para o clube.
Carlos Lello foi também um dos sócios portista que mais lutou para que o F.C. Porto tivesse condições para avançar na construção do novo estádio, pois o Campo da Constituição já começava a ser pequeno para a dimensão do clube. Em 1937 foi criada a Comissão Pró-Campo e a Carlos Lello juntaram-se: António Martins, Domingos, Ferreira, José Donas e Sebastião Ferreira Mendes.
Carlos Lello foi ainda Presidente da Associação de Futebol do Porto.

13 de janeiro de 2020

Romeu Gibim

Romeu Gibim nasceu no dia 23 de Março de 1936 em São Paulo, Brasil.
Foi no A.A. Ponte Preta que se estreou como sénior em 1956. Em 1957 rumou ao Fluminense F.C., no clube do Rio de Janeiro jogou durante cinco anos (1957 a 1961) e conquistou o Torneio Rio-São Paulo de 1957, Taça Brasil Zona Sul de 1960, Campeonato Carioca de 1959. Em 1962 transferiu-se para o Bangu A.C. onde esteve durante um ano e meio.
No início da temporada de 1963/64 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 22 de Setembro de 1963 no Campo Alfredo Aguiar, em Santarém, onde os portistas visitaram e venceram o Sport Grupo Scalabitano “Os Leões” por 7-0, num jogo a contar para a 1ª mão dos 32 avos de final da Taça de Portugal de 1963/64. Foi ainda nessa partida que se estreou a marcar ao apontar o 4º golo aos 34 minutos de jogo.
Romeu Gibim esteve duas épocas ao serviço do F.C. Porto. Disputou 21 jogos oficiais, marcou 4 golos e conquistou por 2 vezes a Taça Associação de Futebol do Porto.
Já a nível de jogos particulares, esteve na conquista da Taça Luis Otero quando o F.C. Porto foi a Espanha derrotar o Pontevedra C.F. por 2-0.
Em 1965 regressou ao Brasil e ao Bangu A.C. onde jogou até 1967, depois ainda teve uma breve passagem pelo Botafogo F.G.
Romeu Gibim faleceu em 2008.

Palmarés
1 Campeonato Carioca
2 Taças Associação de Futebol do Porto
1 Taça Rio-São Paulo
1 Taça Brasil Zona Sul

6 de janeiro de 2020

Ferreira da Silva

Ferreira da Silva foi um futebolista que representou o Futebol Clube do Porto na década de trinta do século passado.
Foi no dia 20 de Outubro de 1935 que vestiu pela primeira vez a camisola dos Dragões, quando no Campo do Leça o F.C. Porto visitou e empatou 3-3 com o Leça F.C., numa partida que contou para a 2ª jornada do Campeonato Regional do Porto da temporada de 1935/36.
Treze dias mais tarde marcou o seu primeiro golo de azul e branco, foi na vitória dos Dragões contra o S.C. Salgueiros por 4-0, Ferreira da Silva inaugurou o marcador aos 2 minutos de jogo, numa partida que valeu também para o Campeonato do Porto de 1935/36.
Ferreira da Silva teve influência directa na conquista desse campeonato, em que o F.C. Porto venceu nove dos dez jogos realizados, consentindo apenas um empate, precisamente no jogo de estreia de Ferreira da Silva. Nessa prova os portistas marcaram 57 golos e sofreram 10.
Ferreira da Silva esteve ao serviço do F.C. Porto apenas na temporada de 1935/36. Disputou 4 jogos oficiais, marcou 2 golos e conquistou 1 Título, o que bastou para ter o seu nome no livro de Campeões da história do F.C. Porto.

Palmarés
1 Campeonato do Porto

16 de dezembro de 2019

Silvino

Silvino de Almeida Louro nasceu no dia 5 de Março de 1959 em Setúbal.
Era ainda criança quando vestiu pela primeira vez o equipamento do V. Setúbal, para praticar andebol. Aos 14 anos passou para o futebol e já como guarda-redes, foi subindo todos os degraus da formação do clube sadino até chegar a sénior no final da época de 1976/77. Na temporada seguinte já integrou o plantel principal do Vitória F.C. mas foi em 1978/79 que assumiu a titularidade da baliza dos vitorianos quando contava com apenas 19 anos. Na época que se seguiu continuou a ser o dono da baliza dos sadinos mas nos dois anos seguintes passou a suplente e disputou poucos jogos o que o fez procurar outro clube onde pudesse jogar com regularidade e assim em 1982/83 rumou ao V. Guimarães onde esteve duas temporadas, tendo sido sempre o titular na baliza dos minhotos. Em 1984/85 ingressou no S.L. Benfica mas não disputou nenhuma partida nessa época e na temporada seguinte seguiu, por empréstimo, para o C.D. Aves. Em 1986/87 regressou ao S.L. Benfica onde permaneceu durante oito anos, tendo vencido o Campeonato Nacional por quatro vezes, a Taça de Portugal por duas vezes e por uma vez conquistou a Supertaça Cândido de Oliveira. Em 1994/95 regressou ao V. Setúbal.
No início da temporada de 1995/96 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia de Dragão ao peito aconteceu no dia 6 de Agosto de 1995 no Estádio José Alvalade, em Lisboa, onde os portistas defrontaram o Sporting C.P. e empataram 0-0, numa partida que contou para a 1ª mão da Supertaça Cândido de Oliveira.
Na sua primeira época ao serviço do F.C. Porto, Silvino dividiu a baliza dos Dragões com outros quatro guarda-redes (Vítor Baía, Eriksson, Vítor Nóvoa e Jorge Silva), foi o segundo guardião que mais jogos disputou com um total de 11 partidas, divididas entre Campeonato Nacional (5), Taça de Portugal (5) e Supertaça Cândido de Oliveira (1). No final dessa temporada sagrou-se Campeão Nacional. Na época seguinte voltou a partilhar a baliza dos azuis e brancos, Hilário, Wozniak e Eriksson foram os outros guarda-redes. Silvino foi utilizado em 10 jogos oficiais, 8 para o Campeonato Nacional e 2 a contar para a Taça de Portugal e no termo da temporada voltou a comemorar o título de Campeão Nacional.
No total das duas épocas em que Silvino esteve ao serviço do F.C. Porto o saldo foi claramente positivo com a conquista dos dois Campeonatos Nacionais.
Em 1997/98 transferiu-se para o S.C. Salgueiros, clube onde jogou durante três épocas, tendo terminado a sua carreira de futebolista em 2000.
Ainda nesse ano dá inicio a uma nova fase da sua vida ao assumir o cargo de treinador de guarda-redes. Começa na Selecção Nacional, mas pouco depois regressa ao F.C. Porto para sair no final da época de 2003/04. Passa depois pelo Chelsea F.C., F.C. Inter Milão, Real Madrid C.F. e Manchester United F.C.
Silvino foi internacional por Portugal e vestiu a camisola das Quinas por 23 vezes.

Palmarés
6 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
3 Taças de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira

9 de dezembro de 2019

Laurindo

Eduardo Laurindo da Silva nasceu no dia 30 de Setembro de 1944 na cidade de Kunje, Província de Bié em Angola.
Começou a jogar futebol no F.C. Kunje com 15 anos, mais tarde mudou de ares e passou a jogar nos juniores do G.R. Voga. No início da década de 60 passou a sénior e a vestir a camisola do Vitória Atlético Clube do Bié, emblema que defendeu até 1967, ano em que chegou a Portugal para ingressar no C.F. Belenenses, onde jogou durante seis épocas tendo despertado a cobiça dos principais clubes nacionais.
No início da época de 1973/74 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 16 de Setembro de 1973 no Estádio das Antas onde os portistas receberam e venceram o Clube Oriental de Lisboa por 1-0, numa partida a contar para a 2ª jornada do Campeonato Nacional de 1973/74.
O primeiro golo que apontou ao serviço do F.C. Porto aconteceu no jogo da 3ª jornada desse mesmo campeonato, foi na visita ao S.C. Farense que Laurindo marcou o primeiro tento dos portistas aos 33 minutos, num jogo que terminou empatado 2-2 e que foi disputado no Estádio de São Luís em Faro.
Laurindo representou o F.C. Porto durante duas temporadas, disputou 24 jogos oficiais e marcou 6 golos. Ajudou a conquistar 13 vitórias, esteve presente em 7 partidas que terminaram com empate e outros 4 jogos que saiu derrotado.
Em 1975/76 ingressou no S.C. Beira-Mar onde disputou 20 partidas oficiais e apontou 7 golos.
No verão de 1976 regressou a Angola para jogar no F.C. Luanda, clube que representou durante dois anos e onde terminou a sua carreira de futebolista no ano de 1978 quando contava 34 anos.
No início da década de 80 decidiu começar a carreira de treinador e a estreia nessa sua aventura começou em 1981 no Progresso Associação do Sambizanga, clube que se estreou no campeonato principal angolano nesse mesmo ano. Laurindo passou depois por vários clubes angolanos e em todos eles deixou um pouco do seu saber e experiência que acumulou nos seus anos ligados ao futebol.
Laurindo foi internacional por Portugal e também por Angola.

2 de dezembro de 2019

José Lóio (Romão)

José Lóio, conhecido por Romão, foi um guarda-redes que nasceu em Chaves.
Começou por jogar futebol no C.A. Flaviense, depois mudou-se para o A.D. Sanjoanense onde jogou durante três temporadas.
No início da época de 1935/36 ingressou no Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 8 de Dezembro de 1935 no Estádio do Bessa, onde os portistas visitaram e venceram o S.C. Salgueiros por 7-1 (um resultado nada digno para o clube de Paranhos no dia do seu aniversário). O jogo contou para a 9ª jornada do Campeonato do Porto, prova que os azuis e brancos conquistaram e assim Romão sagrou-se Campeão do Porto.
Na temporada seguinte Romão repete a conquista do Campeonato do Porto e ajuda a vencer o Campeonato de Portugal, com os portistas a derrotar o Sporting C.P. por 3-2 na final disputada em Coimbra no Campo do Arnado.
Romão, como ficou conhecido por a sua mãe espanhola se chamar Ramona, esteve ao serviço do F.C. Porto durante duas épocas. Disputou 30 jogos oficiais e conquistou 3 títulos.
Em 1937/38 rumou ao Académico F.C., onde esteve dois anos. Em 1939/40 ingressou no G.D. Joane e mais tarde passou pelo F.C. Tirsense.

Palmarés
1 Campeonato de Portugal
2 Campeonatos do Porto

25 de novembro de 2019

Álvaro Coelho

Álvaro Coelho foi um futebolista que representou o Futebol Clube do Porto na década de 20 do século passado.
Jogando como defesa, esteve ao serviço dos portistas na época de 1923/24.
O primeiro jogo em que vestiu a camisola dos Dragões aconteceu no Campo da Constituição, no dia 11 de Novembro de 1923, numa partida em que os azuis e brancos jogaram como equipa visitante contra o Boavista F.C.. Os Dragões venceram por 1-0 na jornada inaugural do Campeonato do Porto.
Álvaro Coelho participou nos seis jogos do Campeonato Regional do Porto e ainda foi utilizado pelo treinador Akos Teszler no jogo da final do Campeonato de Portugal. Este disputado em Lisboa contra os algarvios do S.C. Olhanense que venceram por 4-2.
Apesar de ter disputado apenas sete jogos oficiais, Álvaro Coelho tem o seu nome na história do clube por dar o seu contributo para que o F.C. Porto se sagra-se Campeão Regional do Porto pela nona vez.

Palmarés
1 Campeonato do Porto

18 de novembro de 2019

Emílio Pinheiro Viterbo

Emílio Pinheiro Viterbo foi um dos mais prestigiados dirigentes da história do Futebol Clube do Porto.
Foi Vice-presidente e também Presidente da Assembleia Geral e foi nesse cargo que mais se evidenciou ao dirigir várias assembleias gerais que no início da década de vinte do século passado se realizavam com o propósito da construção do novo campo de jogos do clube, o campo da Constituição.
O seu trabalho e profissionalismo em prol do F.C. Porto era reconhecido pelos adeptos azuis e brancos mas também pelos simpatizantes dos outros clubes e assim chegou a Presidente da Associação de Futebol do Porto e também a Vice-Presidente da Associação Portuguesa de Futebol.

11 de novembro de 2019

Herrera

Héctor Miguel Herrera López nasceu no dia 19 de Abril de 1990 em Tijuana no México.
Começou a jogar futebol nas camadas jovens do C.F. Pachuca tendo percorrido todos os escalões de formação até ascender à categoria de sénior no ano de 2011. Esteve meio ano emprestado ao Tampico Madero F.C. e regressou ao C.F. Pachuca para jogar mais dois anos, o tempo suficiente para despertar o interesse em si dos principais clubes de futebol mundial.
No início da temporada de 2013/14 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões em jogos oficiais aconteceu no dia 21 de Agosto de 2013, Herrera foi titular na equipa B que derrotou o S.C. Beira-Mar por 3-2 no Estádio Municipal de Aveiro, numa partida que valeu para a 1ª jornada do Campeonato Nacional da 2ª Divisão de 2013/14.
A estreia na equipa principal do F.C. Porto aconteceu seis dias mais tarde e foi no Estádio do Bonfim onde os Dragões venceram o V. Setúbal por 3-1 no jogo inaugural do Campeonato Nacional de 2013/14, Herrera entrou aos 91 minutos a substituir o argentino Lucho González.
O primeiro golo que apontou de Dragão ao peito foi conseguido contra o S.C. Olhanense, os portistas venceram por 4-0 com o mexicano a fechar o marcador aos 84 minutos de jogo, numa partida que teve lugar no Estádio do Dragão no dia 20 de Dezembro de 2013 e que também contou para o Campeonato Nacional de 2013/14.
Héctor Herrera esteve ao serviço do F.C. Porto durante seis temporadas, tendo sido um dos jogadores mais utilizados, como comprovam os 245 jogos oficiais em que alinhou, tendo marcado 35 golos. Nesses seis anos sagrou-se Campeão Nacional em 2018/19 e conquistou a Supertaça Cândido de Oliveira na época seguinte.
Herrera é internacional pelo México. Esteve presente nos Jogos Olímpicos de 2012 onde conquistou a Medalha de Ouro, venceu também a Concacaf Cup e a Gold cup em 2015, marcou presença na Copa América de 2016, também na Taça das Confederações em 2013 e 2017 e ainda jogou no Campeonato do Mundo do Brasil de 2014 e na Rússia em 2018.

Palmarés
1 Medalha de Ouro Olímpica (Seleção do México)
1 Concacaf Cup (Seleção do México)
1 Gold Cup (Seleção do México)
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Supertaça Cândido de Oliveira

3 de novembro de 2019

José Soares dos Reis

José Soares dos Reis nasceu no dia 5 de Março de 1916 em Penafiel.
Irmão de Manuel Soares dos Reis, guarda-redes que foi Campeão pelo Futebol Clube do Porto.
José Soares dos Reis, à imagem do seu irmão Manuel, também jogava a guarda-redes e foi no União Desportivo Penafidelense que começou a praticar futebol, junto com outro seu irmão, António Soares dos Reis.
José seguiu as pisadas do seu irmão Manuel e também ingressou no F.C. Porto no início da década de 40.
A sua estreia com a camisola portista aconteceu no dia 21 de Fevereiro de 1943 no Campo da Constituição, quando os Dragões receberam a visita do Unidos F.C. Barreiro no jogo da 7ª jornada do Campeonato Nacional de 1942/43. Os portistas foram derrotados por 4-3.
Nessa época de 1942/43 apenas foi utilizado em 3 jogos oficiais, todos a contar para o Campeonato Nacional.
Na temporada seguinte fez o mesmo número de partidas oficiais para o Campeonato Nacional, mas foi sempre o guarda-redes titular no Campeonato do Porto, disputando os dez jogos que faziam parte do calendário, onde sofreu apenas quatro golos e ajudou os portistas a vencer todos os jogos da competição e dessa forma sagrou-se Campeão Regional.
José Soares dos Reis representou o F.C. Porto durante duas temporadas, tendo disputado 16 jogos oficiais e conquistou 1 título.

Palmarés
1 Campeonato do Porto

28 de outubro de 2019

Jorginho

Jorge Luíz Pereira de Sousa (Jorginho) nasceu no dia 6 de Maio de 1977 em Goiânia, Brasil.
Começou a jogar futebol no Goiatuba E.C. e depois de passar por todos os escalões de formação do clube da sua terra, integrou o plantel principal no ano de 1994. No ano seguinte transferiu-se para o Atlético Paranaense e logo na sua temporada de estreia com o novo clube, sagrou-se Campeão Brasileiro Série B. No emblema de Curitiba, Jorginho permaneceu durante cinco anos. Em 2000 foi emprestado ao E.C. Santo André e pouco depois, ainda no ano de 2000, transferiu-se para o S.E. Gama. Em 2001 ingressou no Goiânia E.C.. No verão desse mesmo ano deixou o Brasil para rumar a Portugal para jogar no V. Setúbal. Nos Sadinos esteve quatro épocas, conquistou a Taça de Portugal em 2004/05 e deu a conhecer o seu futebol que despertou o interesse dos principais clubes nacionais. No início da temporada de 2005/06 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 21 de Agosto de 2005 no Estádio do Dragão quando os portistas receberam e venceram o C.F. Estrela da Amadora por 1-0, num jogo que contou para a 1ª jornada do Campeonato Nacional de 2005/06.
O primeiro golo que apontou de azul e branco foi na 5ª jornada também no Campeonato Nacional de 2005/06, na receção do F.C. Porto ao C.F. Belenenses em que os portistas venceram por 2-0 com Jorginho a marcar o segundo golo aos 56 minutos de jogo.
Nessa temporada ainda marcou mais dois golos, um na vitória sobre o V. Guimarães por 2-0 e em Alvalade foi o seu golo que carimbou o triunfo do F.C. Porto sobre o Sporting C.P. e que praticamente garantiu o título de Campeão Nacional aos Dragões, ao que juntaram a vitória na Taça de Portugal.
Na sua primeira época no F.C. Porto foi um dos cinco jogadores mais utilizados pelo treinador Co Adriaanse.
Na temporada seguinte Jorginho jogou menos vezes e também marcou menos golos, apenas um, mas conquistou a Supertaça Cândido de Oliveira e voltou a sagrar-se Campeão Nacional. No final dessa época deixou os Dragões.
Jorginho representou o F.C. Porto durante 2 temporadas. Disputou 56 jogos oficiais, marcou 4 golos e conquistou 4 títulos.
Em 2007/08 rumou ao S.C. Braga onde esteve duas épocas, tendo ganho a Taça Intertoto. Em 2009/10 viajou para a Turquia para jogar no Gaziantepspor durante dois anos. Em 2011/12 regressou a Portugal para defender a camisola do Rio Ave F.C.. Na temporada seguinte voltou ao Brasil onde representou o Grêmio Anápolis, clube onde colocou um ponto final na sua carreira no ano de 2014.

Palmarés
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato do Brasil Série B
2 Taças de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira

21 de outubro de 2019

Troféu Bronze Asociação


O ´Bronze Associação` foi uma competição criada na década de 20 do seculo passado para financiar a Associação de Futebol do Porto.
O Futebol Clube do Porto conquistou o Troféu em 1920/21, 1921/22 e 1922/23. Nessa última edição da prova os Dragões marcaram 17 golos em apenas três partidas, ganharam ao Boavista F.C. por 5-2, ao S.C. Salgueiros por 6-2 e ao S.C. Espinho na final por 6-3. Na época os espinhenses pertenciam à Associação de Futebol do Porto, mudando em 1924 para a recém criada Associação de Futebol de Aveiro.
O Troféu que pesa 12 quilos e que é uma escultura em bronze e mármore, faz parte dos títulos conquistados pelo F.C. Porto nas provas oficiais organizadas pela Associação de Futebol do Porto.

14 de outubro de 2019

Éder Militão

Éder Gabriel Militão nasceu em Setãozinho, um município brasileiro do interior do estado de São Paulo, Brasil.
Aos 13 anos de idade começou a jogar nos sub-13 do São Paulo F.C., depois passou por todos os escalões de formação do clube paulista até ascender à categoria de profissional em 2017. Entre o dia 5 de Maio de 2017 e o dia 5 de Agosto de 2018, Éder Militão foi utilizado por 37 vezes e marcou 4 golos com a camisola principal do São Paulo F.C. e passou a ter os principais clubes internacionais interessados na sua aquisição.
No verão de 2018 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no Estádio do Dragão no dia 2 de Setembro de 2018, quando os portistas receberam e venceram o Moreirense F.C. por 3-0, numa partida que contou para a 4ª jornada do Campeonato Nacional de 2018/19. Apesar de jogar a defesa central, Éder Militão fez a assistência para Hector Herrera inaugurar o marcador aos 15 minutos de jogo.
Foi na maior montra do futebol europeu que se estreou a marcar golos, quando no jogo da 5ª jornada do Grupo D abriu a contagem para a vitória do F.C. Porto por 3-1 sobre os alemães do F.C. Schalke 04.
Éder Militão apenas representou o F.C. Porto na época de 2018/19, um ano em que os Dragões conquistaram a Supertaça Cândido de Oliveira, três semanas antes da estreia de Militão no F.C. Porto. Disputou 47 jogos oficiais e marcou 4 golos.
Em 2019/2020 ingressa no Real Madrid C.F. que o contratou ao F.C. Porto ainda em Março de 2019 por troca de 50 Milhões de euros. No clube madrileno venceu a Supertaça de Espanha.
Éder Militão é internacional pela seleção do Brasil, já vestiu por várias vezes a camisola canarinha e esteve presente na Copa América 2019, competição que ajudou a conquistar.

Palmarés
1 Copa América
1 Supertaça de Espanha

7 de outubro de 2019

Martins Indi

Rolando Maximiliano Martins Indi nasceu no dia 8 de Fevereiro de 1992 no Barreiro.
Apesar de ter nascido em Portugal, Martins Indi que é filho de mãe portuguesa e pai da Guiné-Bissau, mudou-se com a sua família para a Holanda quando apenas tinha três anos de idade. Ainda criança começou a jogar futebol no R.K.S.V. Spartaan ’20. Aos 13 anos entrou para as escolas do Feyenoord. Entre 2005 e 2010 passou pelos vários escalões de formação do clube de Roterdão e na temporada de 2010/11 integrou o plantel principal do Feyenoord. Jogou durante quatro épocas no clube holandês onde se tornou um dos mais influentes jogadores do plantel.
No início da temporada de 2014/15 foi contratado pelo Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 15 de Agosto de 2014 no Estádio do Dragão onde os portistas receberam e venceram o C.S. Marítimo por 2-0, numa partida a contar para a 1ª jornada do Campeonato Nacional de 2014/15.
Apesar de ser defesa-central, Martins Indi não se coíbe de marcar golos e o primeiro que apontou ao serviço do F.C. Porto foi no jogo da 7ª jornada, também no Campeonato Nacional de 2014/15, quando no dia 5 de Outubro de 2014 os Dragões receberam e venceram o S.C. Braga por 2-1 no Estádio do Dragão e Martins Indi abriu o marcador aos 25 minutos de jogo.
Martins Indi representou o F.C. Porto durante duas temporadas, foi um dos jogadores mais utilizados do plantel azul e branco. Defesa-central possante e de boa qualidade, tanto ocupava a posição no centro da defesa como alinhava na lateral esquerda. Apesar de não ter conseguido vencer nenhum título enquanto jogou de Dragão ao peito, deixou boas indicações.
Em 2016/17 foi emprestado aos ingleses do Stoke City F.C. que o contratou na temporada seguinte.
Martins Indi é internacional pela Holanda e já vestiu a camisola da Laranja Mecânica por 34 vezes e apontou 2 golos. Esteve presente no Campeonato do Mundo de 2014 onde disputou 6 partidas.

23 de setembro de 2019

Camilo Leal

Camilo Correia Carvalho Leal foi um futebolista que jogou na década de trinta no Futebol Clube do Porto.
A primeira vez que vestiu a camisola dos Dragões em jogos oficiais aconteceu no dia 22 de Fevereiro de 1931 na partida da 6ª jornada do Campeonato do Porto de 1930/31, em que os azuis e brancos venceram o S.C. Progresso por 1-0.
Camilo Leal representou o F.C. Porto durante três temporadas (1930/31, 1931/32 e 1934/35), em todas elas conquistou o Campeonato do Porto, tendo disputado um total de cinco jogos oficiais.
Apesar de ter sido utilizado em poucas partidas, Camilo Leal deu o seu contributo para a conquista de três títulos para os portistas e assim teve o direito de deixar o seu nome no livro de honra do F.C. Porto.

Palmarés
3 Campeonatos do Porto

15 de setembro de 2019

Mariano González

Mariano Nicolás González nasceu no dia 5 de Maio de 1981 em Tandil, Argentina.
Começou a jogar futebol num pequeno clube da sua terra natal, o Club Bambinos, passou depois pelo C.A. Independiente e em 1998 entrou para os juniores do Racing Club onde ascendeu à categoria de sénior no ano de 2001. No "La Academia" conquistou o Campeonato Apertura em 2002 e jogou no clube até ao final da temporada de 2003/04. Na época seguinte transferiu-se para o U.S.C. Palermo onde esteve duas temporadas. Em 2006/07 ingressou no F.C. Inter de Milão tendo-se sagrado Campeão de Itália e venceu a Supertaça de Itália.
No início da época de 2007/08 chegou ao Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 11 de Agosto de 2007 no Estádio Magalhães Pessoa, em Leiria, onde os portistas defrontaram o Sporting C.P. no jogo da Supertaça Cândido de Oliveira, em que os leoninos venceram por 1-0.
Mariano González jogou de Dragão ao peito durante quatro temporadas e em todas teve pelo menos um troféu para festejar. Sagrou-se Campeão Nacional por 3 vezes (2007/08, 2008/09 e 2010/11), venceu 3 vezes a Taça de Portugal (2008/09, 2009/10 e 2010/11), ganhou a Supertaça Cândido de Oliveira por 2 ocasiões (2008/09 e 2009/10) e conquistou a Liga Europa em 2010/11.
Apesar de nunca ter sido um titular indiscutível, Mariano González foi sempre um jogador apreciado pelos treinadores que encontrou no F.C. Porto, primeiro com Jesualdo Ferreira e depois André Villas-Boas.
Ao serviço dos Dragões disputou 120 jogos oficiais, conquistou 9 Títulos e marcou 13 golos.
No final da temporada de 2010/11 deixou o F.C. Porto e regressou à Argentina para jogar no Club Estudiantes de La Plata. Em 2012/13 teve uma breve passagem pelo Arsenal de Sarandí F.C. para voltar ao Estudiante L.P. na época seguinte. No ano de 2015 representou o C.S.D. Santamarina. Em 2016 transferiu-se para o C.A. Huracán, no ano seguinte vestiu a camisola do C.A. Cólon e em 2018 regressou ao C.S.D. Santamaria.
Mariano González é internacional pela Argentina e representou a sua Selecção por 9 vezes. Esteve presente nos Jogos Olimpicos de 2004 onde conquistou a medalha de ouro.

Palmarés
1 Medalha de Ouro Olímpica
1 Liga Europa
3 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato de Itália
1 Campeonato Apertura (Argentina)
3 Taças de Portugal
2 Supertaças Cândido de Oliveira
1 Supertaça de Itália

9 de setembro de 2019

Quinito

Joaquim José Ferreirinha Moreira (Quinito) nasceu no dia 8 de Setembro de 1961 em Vila Nova de Gaia.
Foi no S.C. Coimbrões que começou a jogar futebol quando tinha 13 anos. Os dois anos em que jogou nos sub-15 do clube gaiense bastaram para despertar o interesse dos olheiros dos principais emblemas nacionais e foi sem surpresa que no ano de 1976 atravessou a Ponte D. Luis I para ingressar no Futebol Clube do Porto.
Quinito passou com brilhantismo pelos escalões de formação dos Dragões e em 1978/79 foi chamado por José Maria Pedroto à equipa principal portista.
A sua estreia aconteceu no dia 27 de Maio de 1979 no Estádio Municipal de Famalicão onde os azuis e brancos visitaram e venceram o F.C. Famalicão por 4-0 numa partida a contar para a 27ª jornada do Campeonato Nacional de 1978/79, Quinito entrou aos 81 minutos de jogo a substituir Oliveira.
Nessa época de 1978/79, Quinito participou em três jogos oficiais, o que lhe possibilitou festejar o título de Campeão Nacional. Na temporada seguinte duplicou o número de partidas oficiais realizadas e em 1980/81 apenas foi utilizado em quatro jogos oficiais.
Em 1981/82 foi emprestado ao Varzim S.C. mas voltou ao F.C. Porto na época seguinte. Nas três temporadas que se seguiram vestiu a camisola dos Dragões por 52 vezes e conquistou 4 títulos, voltou a sagrar-se Campeão Nacional em 1984/85, conquistou a Taça de Portugal de 1983/84 e venceu a Supertaça Cândido de Oliveira em 1983 e 1984.
No final da temporada de 1984/85 deixou o F.C. Porto, com a camisola dos Dragões venceu 5 títulos e disputou 65 jogos oficiais.
Em 1985/86 foi contratado pelo Boavista F.C. onde jogou durante uma época, seguiu-se a Académica de Coimbra onde esteve dois anos, depois passou pelo Leixões S.C., V. Setubal, C.S. Marítimo, A.D. Ovarense onde permaneceu quatro temporadas entre 1991 e 1995, na época de 1995/96 começou por vestir a camisola do S.C. Dragões Sandinenses e depois rumou ao S.C. Lamego, na temporada seguinte transferiu-se para o F.C. Maia onde terminou a sua carreira de futebolista no ano de 1997.
Em 2008 deu início à carreira de treinador, começou no Nogueirense F.C., passou depois pelos escalões de formação do C.F. Canelas, Vilanovense F.C., C.D. Candal e C.F. Oliveira do Douro, ultimo clube que treinou em 2013/14.

Palmarés
2 Campeonatos Nacionais 1ª Divisão (Portugal)
1 Taça de Portugal
2 Supertaças Cândido de Oliveira