21 de fevereiro de 2010

Taça Arsenal

No dia 6 de Maio de 1948 escreveu-se uma das mais brilhantes páginas da história do Futebol Clube do Porto.
Os Dragões receberam a visita do Arsenal F.C. de Londres que se deslocou a Portugal para realizar duas partidas de carácter particular. O primeiro jogo foi no estádio Nacional no dia 3 de Maio contra o S.L. Benfica em que os ingleses venceram por 4-0. Não faltou quem dissesse após o jogo que se em Lisboa os ingleses tinha ganho por 4-0, no Porto iriam vencer por muitos mais. Mas a história iria ser bem diferente.
Nesse dia 6 de Maio, a cidade do Porto vestiu-se de gala para receber aquela que era considerada por muitos como a melhor equipa do mundo na altura. No estádio do Lima, o F.C. Porto agigantou-se e aos 20 minutos de jogo vencia por 3-0 com golos apontados por Araújo e dois de Correia Dias. O Arsenal F.C. ainda reduzio a desvantagem para 3-2, no entanto não foram capazes de impedir a grande vitória do Futebol Clube do Porto.
Foi um resultado e um jogo que aqueles que tiveram o privilégio de assistir de certeza que nunca esqueceram. De modo que um ano depois desse jogo, um grupo de sócios e adeptos portistas trataram de angariar fundos para a construção de um troféu digno daquela vitória para depois o oferecer ao F.C. Porto.
O majestoso troféu foi concebido na Ourivesaria Aliança e desenhado pelos escultores Marinho Brito e Albano França. O troféu consiste em duas peças, um relicário e uma taça totalmente de prata.
O relicário que pesa cerca de 120 quilos e mede 2,80 metros, é uma espécie de caixa assente em quatro dragões de prata, com quatro portas de cristal. O relicário é rematado com um grupo escultório constituído por uma figura de atleta, de joelho em terra, dominando um leão, que tem uma bola junto dele. Na mão direita o atleta ergue um facho, enquanto que na mão esquerda segura a bandeira do F.C. Porto. Por detrás dele, dominando toda a peça, a figura da vitória.
A taça de prata é constituída por três figuras esculturais de mulher, erguendo-se nas pontas dos pés, segurando a taça, circundada por três dragões dominados por três atletas que procuram alcançá-la para beberem dela o vinho da vitória.
Na sua construção gastaram-se 130 quilos de prata.
Para a concretização desse troféu, que era o maior em todo o mundo, os portistas gastaram cerca de 200 contos, na antiga moeda, em 1949, o que foi uma fortuna.
Ficam os nomes dos 6 impulsionadores desse projecto: Eduardo Soares, José Moreira, Ivo Araújo, Manuel Ferreira, Elói da Silva e Torcato Plácido.

6 comentários:

dragao vila pouca disse...

Um troféu belíssimo que simboliza um grande feito: vencer o Arsenal naquela época era obra!

Vai ser preciso o mesmo empenho, a mesma atitude e o mesmo espírito dessa altura para que no dia 9 de Março cconsigamos seguir em frente.

Um abraço

Anónimo disse...

E que tal este blogue ( articulado com outros) promover a redacção de uma carta dirigida às embaixadas da Roménia e Brasil ( com cópia para o Presidente da FPF e Secretário Estado do Desporto) pedindo-lhes a sua atenção para este estranho caso ???

Anónimo disse...

17:29 - Futebol - FC Porto
PJ desliga FC Porto dos crimes que levaram as buscas no Estádio do Dragão

A Polícia Judiciária desligou hoje o FC Porto dos crimes que levaram a buscas nos escritórios da sua SAD, afirmando que o alvo é um cidadão belga suspeito de crimes fiscais.

"Em causa está um processo belga, envolvendo um cidadão domiciliado fiscalmente naquele país e o FC Porto nada tem a ver com o caso", disse à Lusa uma fonte oficial da PJ, sem esclarecer se trata empresário italo-belga Luciano D'Onofrio.

As autoridades portuguesas limitaram-se, segundo a fonte, a procurar a documentação pedida em carta rogatória das suas congéneres belgas.

Também contactado pela Lusa, Gil Moreira dos Santos, o advogado do presidente do FC Porto, confirmou que o alvo da investigação belga que conduziu a estas buscas foi Luciano D'Onofrio, que trabalhou com os "dragões" na década de 90.

Gil Moreira dos Santos disse que "bastaria que pedissem os documentos", em vez de os procurarem, e descreveu as buscas como "um fait-divers" depois do 5-1 ao Braga e em vésperas de um jogo importante com o Sporting.

Buscas similares às realizas hoje nos escritórios da SAD do FC Porto já tinham ocorrido em Junho de 2009 na sede do Barcelona, envolvendo também negócios protagonizados pelo empresário italo-belga Luciano D'Onofrio.
ojogo

José Avelino Moreira Victor disse...

Um desses impulsionadores desse projecto: José Moreira, era o meu Avó. Tenho pena que o F.C.Porto nunca tenha feito nada para os relembrar e agradecer às suas famílias.
Avelino Victor

Filinto disse...

A taça foi executada na oficina de meu Avô, Filinto Elísio de Almeida, na oficina sita ao Passeio das Fontaínhas, 36.

O desenho original ainda existe.

Anónimo disse...

Antes de mais, os meus sinceros parabéns pelo trabalho aqui presente, que só agora conheci, por outro lado e num espírito apenas de colaboração solicito que no texto sobre a TAÇA ARSENAL, fosse corrigido o verbo dizer, na frase...Não faltou quem dissesse...
Abraço portista.